Amanda Menger
Tubarão

O último dia 21, sexta-feira, entrou para a história de Tubarão como o dia mais chuvoso de novembro. A precipitação foi de 103 milímetros em Tubarão. Em apenas um dia, choveu mais do que o esperado para o mês inteiro: 94 milímetros. Já em Orleans, choveu 25 milímetros e em Urussanga, 36 milímetros. “Tubarão escapou por pouco mesmo. As chuvas ocorreram aqui na cidade. Os municípios que estão na ‘cabeceira’ do rio tiveram precipitação elevada. Diferente do que ocorreu em 1974. Naquele momento, choveu pouco em Tubarão e muito no pé da serra”, explica o engenheiro químico Rafael Marques.

Os dados revelados nesta matéria fazem parte da dissertação de mestrado de Rafael, que trata dos índices pluviométricos da bacia do rio Tubarão de 1940 até hoje. Em 1974, no dia 24 de março, em Tubarão, choveu 15 milímetros. Em Urussanga, 74 milímetros e em Orleans 140. No dia 25 de março daquele ano, o índice de precipitação foi ainda maior: 251 milímetros em Urussanga e 202 em Orleans. Já em Tubarão, as chuvas chegaram a 98,4 milímetros.

Outra diferença é o total de chuva. Em março de 1974, choveu 539 milímetros em Tubarão, 742,2 milímetros em Urussanga e 708,3 milímetros em Orleans. Neste mês, até o dia 24, a precipitação foi de 315 milímetros em Tubarão, 205,8 milímetros em Orleans e 226,8 milímetros em Urussanga. O fator climático registrado em 1974 foi semelhante ao de cerca de uma semana atrás.

“A carta sinótica do dia 24 de março de 1974 mostra um sistema de alta pressão (massa de ar polar) estacionado sobre o litoral sul, condensando e impulsionando a umidade para o continente. Esta carta é semelhante a de sexta-feira (retrasada). No fim de semana, tínhamos um sistema de alta pressão no oceano, que jogava umidade para o continente, e no continente tínhamos um sistema de baixa pressão que atraia esta umidade”, explica Rafael. As cartas sinóticas são confeccionadas pela Marinha do Brasil.

Previsão é de mais chuva no norte do estado amanhã

A previsão do tempo não é nada boa para esta semana. Conforme o último boletim disponibilizado pela Epagri/Ciram (às 19 horas de ontem), a chuva deve começar na madrugada de hoje na região já castigada pelas enchentes – todo o Vale do Itajaí, no norte de Santa Catarina.

Conforme os dados do setor de clima e previsão do tempo da Epagri/Ciram, as chuvas serão em forma de pancadas isoladas entre a tarde e a noite e podem vir inclusive associadas a trovoadas, temporais, granizo (em regiões isoladas), ventos fortes e descargas elétricas, com acumulados de 20 a 30 milímetros em alguns pontos.
Isto ocorrerá devido ao aquecimento do dia e a influência de uma frente fria. Esta condição deverá ocorrer já a partir de amanhã.

Ontem, estado, Defesa Civil e outras forças organizadas que atuam para recuperar as cidades reuniram-se para montar uma nova estratégia de ação caso o tempo piore ainda mais.
O setor ainda emitiu um alerta máximo à Defesa Civil de Santa Catarina quanto a novos deslizamentos de terra na região da Grande Florianópolis, Vale do Itajaí e litoral norte devido ao solo encharcado. O pouco sol registrado entre sábado e ontem não foi suficiente para mudar o cenário.

LHS faz apelo para que turistas não deixem de visitar o estado

O governador de Santa Catarina, Luiz Henrique da Silveira (PMDB), retornou ontem à região afetada pelas enchentes e disse estar preocupado com a chegada de uma nova frente fria. LHS também pediu aos turistas nacionais e estrangeiros que não deixem de visitar os balneários da região oceânica do estado nesse verão.
Segundo o governador, não há registro de danos causados pelas chuvas nesses locais.

“Não temos registro de nenhum problema nas estações balneárias. De modo que a temporada de verão está garantida. Brasileiros e estrangeiros que costumam frequentar as nossas praias podem vir com toda a tranquilidade. Não há risco”, garantiu LHS.
O governador disse ainda que os turistas não precisam temer as ocorrências de doenças que normalmente aparecem após longos períodos de chuva, como hepatite A e leptospirose (doença causada pela contaminação por urina de rato).

Hospital de Campanha
O Hospital de Campanha para socorrer as vítimas das chuvas em Santa Catarina começa a funcionar hoje. A estrutura disponibilizada pelos ministérios da saúde e da defesa será instalada no trevo Itajaí- Ilhota, na BR-101 norte. O local terá capacidade de realizar até 400 atendimentos por dia, das 8 às 16 horas, enquanto houver necessidade de reforço hospitalar.