A remoção do material iniciou ontem, mas com a continuidade das chuvas o trabalho foi suspenso devido ao risco de novos deslizamentos.
A remoção do material iniciou ontem, mas com a continuidade das chuvas o trabalho foi suspenso devido ao risco de novos deslizamentos.

Grão-Pará

A continuidade das chuvas acarreta uma série de problemas nos municípios do Vale do Braço do Norte. Ontem, os prefeitos de Santa Rosa de Lima, Celso Heidemann (PP), e Grão-Pará, Valdir Dacorégio (PMDB), decidiram suspenderam as aulas, a partir de hoje, por tempo indeterminado.

O motivo são as condições das estradas. Muitas estão interrompidas devido a queda de barreiras. Outras não oferecem condições mínimas de tráfego. “As aulas devem ser retomadas assim que houver possibilidade de executar a manutenção nas estradas para que o transporte chegue a todas as comunidades”, justifica o secretário de educação da prefeitura de Santa Rosa de Lima, Volnei Heidemann.
Em Grão-Pará a situação é a mesma. “As aulas serão retomadas somente após a parada da chuva. Não há condições de transportar os alunos”, lamenta a secretária de educação da prefeitura, Rosinele Margotti Schmidt.

Para o prefeito Dacorégio, trata-se ainda de uma questão de segurança, já que há muitos pontos com deslizamento de terra. O mesmo pensa o colega, Celso Heidemann. “Precisamos pensar na segurança antes de qualquer outra decisão”, destaca o prefeito de Santa Rosa de Lima. Nos outros municípios do Vale – Rio Fortuna, Braço do Norte e São Ludgero – as aulas continuam normalmente.

Serra do Corvo Branco está interditada

O acesso a Urubici, pela SC-439, no trecho da Serra do Corvo Branco, continua interrompido. As chuvas deste sábado ocasionaram mais um deslizamento de barreira. Terra, árvores e enormes pedras desprenderam-se do alto da serra nas proximidades da grutinha.

A remoção do material iniciou ontem, mas com a continuidade das chuvas o trabalho foi suspenso devido ao risco de novos deslizamentos. Equipes da secretaria de obras da prefeitura de Grão-Pará e do Departamento de Estradas e Rodagem (DER) farão hoje uma nova avaliação do local.

“Como as chuvas persistem, não temos previsão de quando conseguiremos remover o material. Pelo volume de árvores e pedras, serão necessários dois dias de trabalho para darmos o mínimo de condições de trafegabilidade”, lamenta o secretário Adelício Margotti.

Outra situação preocupante é o trecho da SC-439 do centro de Grão-Pará até o Distrito do Aiurê. Há quedas de barreira, ainda que em menor volume. Com a chuva e o trânsito de caminhões pesados, devido as jazidas de argila no distrito, a estrada está escorregadia.