A chuva que atinge a Grande Vitória interditou as rodovias BR-101 e BR-262, em Viana, alagou bairros inteiros e terminais de ônibus, e forçou o fechamento de uma maternidade neste sábado (18). Os pacientes tiveram que ser transferidos para outras unidades hospitalares pelo Exército. Setenta pessoas estão desabrigadas em Vila Velha e a prefeitura irá decretar situação de emergência.

Os desabrigados foram alojados na escola “Ailton Almeida”, no bairro Terra Vermelha, em Vila Velha. O prefeito do município, Max Filho (PSDB), anunciou, na tarde deste sábado, que irá decretar situação de emergência.

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), reforçou a necessidade de investimento em infraestrutura que possibilite da drenagem rápida da água da chuva.

Apesar disso, o governador enfatizou que o volume de chuva registrado na região metropolitana de Vitória em 24 horas, causaria transtorno em qualquer cidade do mundo.

“Um volume de chuva como esse não tem como ter problema. São 250 milímetros de chuva em 24 horas e qualquer do mundo, seja no Brasil ou na Dinamarca, as pessoas terão problemas. O que de fato é preciso fazer é investimento para que essa água possa escoar com maior velocidade”, diz Casagrande.

Principais impactos da chuva

As rodovias BR-101 e BR-262 estão com trechos totalmente interditados;
A Maternidade e o Pronto Atendimento de Cobilândia estão alagados e os pacientes tiveram que ser transferidos;
70 pessoas tiveram de deixar suas casas em Vila Velha.
Terceira Ponte, a maior ponte do estado que liga os municípios de Vitória e Vila Velha, foi parcialmente fechada. A situação foi normalizada no final da tarde.
Pronto Atendimento e Maternidade fechados
O Pronto Atendimento e a Maternidade do bairro Cobilândia, em Vila Velha, estão com as instalações alagadas, inclusive o centro cirúrgico. O atendimento está suspenso e todos os pacientes foram transferidos para outras unidades hospitalares da Grande Vitória. Eles passam bem.

Com o hospital alagado, os pacientes foram retirados das unidades pelo Exército. De acordo com a direção do hospital, 10 mulheres que acabaram de ter filhos foram resgatadas e transferidas com os bebês.

De acordo com o diretor da Maternidade e do Pronto Atendimento, Clio Venturim, a água começou a entrar na unidade às 7h. Antes disso, os funcionários já estavam monitorando o alagamento e fazendo contato para a possível remoção dos pacientes.

“Dentro do hospital não oferecia risco a saúde dos pacientes. A gente consegue mantê-los em local seco. A maternidade tem dois andares e no Pronto Atendimento temos um local onde estamos cuidando deles, até que sejam removidos”, contou o diretor antes da remoção total dos pacientes.

Não há previsão de reabertura do PA e da Maternidade. Quando a água baixar, Venturim informou que será feita uma desinfecção imediata nas unidades para que possam ser reabertas.

Interdições

A Polícia Rodoviária Federal no Espírito Santo, informou que a BR-101, em Viana, está completamente interditada por causa do alagamento da pista.