Amanda Menger
Tubarão

O mau tempo que se ‘instalou’ em Santa Catarina nas últimas semanas provoca prejuízos na infra-estrutura e atrapalha o andamento de obras. Em alguns casos, como a duplicação da BR-101, os serviços de terraplanagem e pavimentação estão suspensos.

“É impossível fazer a terraplanagem e pavimentação com este tempo. O solo precisa estar seco para que estes trabalhos sejam feitos. Mas, de certa forma, o cronograma não está atrasado, mesmo com toda esta chuva. As empresas estão dando prioridade a outros serviços, como a fabricação de caixaria e a concretagem”, afirma a assessoria de imprensa do Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes (Dnit).

Uma avaliação sobre o andamento da obra será divulgando na primeira quinzena de dezembro. “Só com este relatório, será possível ter idéia do que será efetivamente entregue neste ano, até porque em algumas áreas a duplicação está concluída, mas faltam pequenos detalhes para que sejam liberadas ao tráfego de veículos”, adianta a assessoria do órgão.

As chuvas favorecem o aparecimento de buracos, principalmente na pista antiga da rodovia. Nestes casos, a operação tapa-buracos é feita com maior frequência. Nas estradas estaduais, até esta sexta-feira, não foram registrados problemas com buracos. De qualquer forma, segundo o Departamento Estadual de Infra-estrutura (Deinfra), a manutenção é feita sempre que ocorrem problemas.

Prefeitura de Tubarão também enfrenta problemas
As obras realizadas pela prefeitura de Tubarão também são afetadas pelo excesso de chuva. Entre os trabalhos que foram suspensos estão os de drenagem, pavimentação asfáltica e calçamento com lajotas.
“Não é possível trabalhar com estas condições. O solo está molhado e não temos como fazer os serviços. Temos feito alguns reparos em bueiros, patrolando algumas vias no interior, mas até isso é difícil. É fazer pela manhã e a chuva da tarde estraga tudo. Acaba sendo perda de tempo e de dinheiro público”, justifica o secretário de obras da prefeitura, Anselmo de Bona Melo.

Os 63 dias de chuvas praticamente ininterruptos atrasaram o cronograma de obras da administração municipal. “Estamos calçando 14 ruas com lajotas. Se não fosse o tempo, poderíamos ter terminado essas e começado outras dez. Dificilmente, vamos conseguir mexer nestas que faltam até o fim do ano. Para cada dia de chuva, é preciso um de sol para mexer no solo”, explica Anselmo.
Na avenida Pedro Zapellini, por exemplo, os trabalhos de pavimentação asfáltica estão paralisados e ainda há muita coisa a ser feita. “Temos que retirar as lajotas de uma das vias e, na outra, ainda estamos na base. Ainda vão algumas semanas, isso se o tempo colaborar”, afirma o secretário.