Amanda Menger
Tubarão

Andar pela cidade pode parecer uma atividade simples para a maioria das pessoas. Porém, para os deficientes visuais uma caminhada pode se transformar em uma aventura. As calçadas, em especial no centro de Tubarão, têm sido construídas com materiais especiais, mas nem todas seguem a determinação da Associação Brasileira das Normas Técnicas (ABNT).
Em algumas, a faixa vermelha, com as ‘bolinhas’ que indicam a proximidade com a rua, são interrompidas por postes e lixeiras e, em muitos casos, não há nenhuma indicação para o deficiente visual.

Em alguns locais observados não há a segunda faixa, a que fica no centro da calçada. “Nas calçadas feitas pela prefeitura isso não ocorre, nós seguimos as orientação da ABNT e posso garantir que nenhuma está interrompida por lixeira ou poste”, assegura o secretário de desenvolvimento urbano da prefeitura de Tubarão, Anselmo de Bona Melo.

A recomendação do secretário é que, antes de construir a calçada, o proprietário solicite informações na secretaria de planejamento. “Há um departamento na secretaria de planejamento que cuida da fiscalização de obras. Eles podem repassar todas as especificações técnicas para quem vai construir. Isso evita complicações futuras, além de criar um padrão para as calçadas”, explica Anselmo.

O secretário afirma que, nos últimos anos, a construção dessas calçadas tem se tornado mais comum. “Tem se tornado mais freqüente. O aspecto é bonito e os materiais têm uma boa durabilidade. Acredito que nos próximos cinco, seis anos, todas as calçadas seguirão este modelo, até pela necessidade de acesso a todas as pessoas”, observa.