Wagner da Silva
Grão-Pará

Apenas detalhes de ordem burocráticas e legais são analisados antes que o Centro de Educação de Jovens e Adultos (Ceja) de Grão-Pará passe efetivamente a ser responsabilidade da prefeitura. A informação é da secretária de educação, Rosilene Margoti Schmidt, a Donda.
A instituição funciona há mais de 11 anos no município e, até o momento, é vinculada ao núcleo do Ceja em Tubarão, que, sob a gerência do professor Geraldo Carvalho, coordenava a área administrativa e o fornecimento de assessoria técnica também a Grão-Pará.

Com a centralização administrativa, os recursos do Fundeb eram depositados para o núcleo. Com a descentralização, as gerências regionais de educação em todo o estado absorveram a função de gerir os Cejas. Por isso o pedido de desmembramento da unidade de Grão-Pará da de Tubarão. “Os recursos passam a estar mais próximos ao município. Mantive contato com o gerente do núcleo de Tubarão, para poder discutir e promover a mudança. Ele foi muito compreensivo com nossa atitude. Agora, basta oficializar alguns dados”, explica Donda.

Ela acrescenta ainda que a municipalização trará maiores benefícios aos alunos do Ceja. “Dará condições à prefeitura de decidir o melhor sistema a ser aplicado na instituição”, pontua a secretária. Atualmente, o Ceja de Grão-Pará atende cerca de 450 alunos – 300 do ensino fundamental e outros 150 do ensino médio.

Prefeitura possui projeto
para a construção de sede própria

Os 450 alunos do Ceja de Grão-Pará são atendidos hoje em uma estrutura alugada, e, segundo a secretária de educação da prefeitura, Rosilene Margoti Schmidt, a Donda, inapropriada e insuficente. Para atender a demanda, outras duas salas são ocupadas na escola Gregório Wessler. “A solução deste problema é oferecer como polo próprio no município”, afirma Donda.

A prefeitura tem a intenção de apresentar, junto ao conselho de educação, um projeto para construir uma área específica para o Ceja. “Possuir uma nova estrutura é fundamental para a instituição. Diria até que em pouco tempo se tornará uma necessidade emergencial no município”, aponta a secretária.
Com a possibilidade da municipalização do Ceja e a execução de um projeto de construção da sede própria, Donda afirma que a administração minimizaria dois problemas na área. Segundo ela, Grão-Pará atende cerca de 300 crianças em um espaço restrito e possui a necessidade de investir na construção de um Centro de Educação Infantil (CEI). “A efetivação desta obra que será proposta solucionaria estes dois problemas (do Ceja e do CEI)”, garante.

A secretária avalia ainda que, se isto for alavancado até o fim do ano, se abrirá a oportunidade de investir na extensão do Ceja para comunidades rurais. “O deslocamento e os horários a cumprir tiram alunos da sala de aula. Com a sede própria, podemos tentar atuar em toda a cidade”, completa.