Tatiana Dornelles
Tubarão

Depois de quase três anos em salas de aula improvisadas no Clube Cerâmica, os alunos da escola estadual Célia Coelho Cruz, no bairro São João margem esquerda, em Tubarão, podem começar a contar os dias para o novo prédio. As obras, realizadas pela empresa Serfort, iniciam hoje. A demora para começar a mexer no terreno se deu por causa de alguns materiais que faltavam, como as estacas e o bate-estaca, e que chegaram esta semana.

Segundo o gerente de infra-estrutura da secretaria de desenvolvimento regional em Tubarão, Léo Goulart, o governo estadual irá investir na obra cerca de R$ 1.138.446 com a construção do novo prédio. A nova escola terá uma área de 2.087,67 metros quadrados de urbanização, pavimentação, guarita, bicicletário, castelo d’água, drenagem pluvial e jardinagem.

Durante todo o período em que os estudantes e professores da unidade escolar estão na escola improvisada, vários foram os protestos realizados, seja através de passeatas ou reclamações de pais e da comunidade. Por ser o clube uma área grande e dividida por tapumes, para a divisão das salas de aula, uma das reivindicações era quanto às péssimas condições de aprendizado das crianças.

O antigo prédio da unidade escolar foi demolido em 2007, após ter sido interditado pela vigilância sanitária, uma vez que algumas paredes estavam com rachaduras e a estrutura comprometida. Na época, a previsão era que a escola antiga fosse demolida em 2006 para que a construção da nova unidade fosse iniciada. Mas isso não ocorreu e a escola ‘foi ao chão’ somente ano passado.

Muitos pais tiraram os filhos da escola, na época, devido às más condições de aprendizagem, falta de segurança e barulho, o que não permitia a concentração, além do calor sofrido, principalmente no verão, pois não há ventilação no clube.