Zahyra Mattar
Tubarão

De repente, o silêncio no Centro de Educação Infantil Joana de Angelis, no bairro Passagem, em Tubarão, é cortado por uma voz grossa seguida de um coro infantil. A folia organizada pelos corredores chama a atenção de quem trabalha no educandário, ainda que a cena se repita todas as semanas. A cantoria é puxada pelo guarda municipal Douglas Machado, o Tio douglas, e os alunos do pré 1 e 2.

Em fila indiana, com o auxílio das professoras, eles seguem para o pátio da instituição. O objetivo é despertar a cidadania e fortalecer os músculos. Douglas tem formação em educação física e não pensou duas vezes quando foi ‘intimado’ pelo diretor da GM, Adailton do Livramento, para encabeçar mais um projeto social desenvolvido pelo grupo. “Desde a criação da guarda, atuamos na área de educação com foco no trânsito. Este tipo de ação faz parte do nosso trabalho. A Guarda Municipal não tem razão de existir se for para desenvolver o mesmo que já é feito pela polícia”, valoriza Adailton.

Os alunos não têm aulas de educação física como é observada nas escolas. Douglas prioriza as brincadeiras lúdicas cujo foco é o trabalho em grupo, a cidadania e o respeito ao próximo. “Não imaginei que teria chance de desenvolver este tipo de trabalho estando na GM. Fico sempre emocionado com as crianças. Elas dão beijos, abraços e vêm para as aulas super empolgadas. Não tem nada no mundo que pague por isso. Não sabia que ser voluntário era algo tão bom. O maior benefício, com certeza, quem tem sou eu em ter esta oportunidade única”, confirma Douglas.

Ele dá as aulas com o uniforme da Guarda Municipal e garante que as crianças não se intimidam com isso. “Elas são curiosas. Perguntam: ‘Tio, cadê tua arma?’. Eu explico que os guardas não usam armas, que a função é ajudar as pessoas. O fato de estar uniformizado não intimida, pelo contrário, faz parte da construção do limite, da disciplina e não da repreensão”, ensina Douglas.