Amanda Menger
Tubarão

Tornar o mundo melhor. A idéia parece utópica, mas esta é a intenção da Cátedra Participação e Solidariedade lançada pela Unisul nesta sexta-feira à noite. A idéia surgiu de um dos livros do professor Osvaldo Della Giustina, ex-reitor e fundador da Unisul, e foi adotada pelo atual reitor, Gerson Luiz Joner da Silveira.

Cátedra é um termo utilizado para se referir a alguém ou a um grupo de estudiosos que se dedicam a estudar um determinado tema ou disciplina, tradicionalmente dentro de uma universidade, onde são especialistas na área. As cátedras são ligadas à Unesco, o “braço” da Organização das Nações Unidas (Onu) para a educação. O conceito da cátedra é levar educação, cultura e ciência para comunidades, tendo como eixo um determinado tema ou disciplina. No caso da Unisul, é a solidariedade.

“Vivemos em um mundo que passa por mudanças muito rápidas e isso tem feito as pessoas se tornarem cada vez mais individualistas, por isso a necessidade de discutir e propor projetos para modificar esta situação”, observa o sociólogo Fábio Régio Bento, também articulista do Notisul, um dos integrantes do conselho da cátedra.

Durante o lançamento, foram entregues os títulos de doutor honoris causa à médica e coordenadora internacional da Pastoral da Criança, Zilda Arns Neumann, e ao professor Lauro Ribas Zimmer, que também são membros fundadores da cátedra. “As pessoas precisam vivenciar a fraternidade. Acredito que a cátedra possibilita a discussão de assuntos que tocam a sociedade”, afirma Zilda.

A cátedra terá reuniões semestrais. A primeira ocorre neste sábado. “Não são apenas discussões, também vamos elaborar projetos. Temos metas e objetivos a cumprir”, explica Fábio Bento.