Amanda Menger
Tubarão

Estatísticas divulgadas esta semana pelo Ministério da Saúde sobre a epidemia de dengue no Rio de Janeiro fizeram com que os demais estados brasileiros emitissem um alerta à população. Na capital fluminense, foram registrados neste ano mais de 8,3 mil casos, o que significa um aumento de 117%. Em Santa Catarina, apesar de existirem focos com larvas do mosquito Aedes aegypti, não há casos oficiais de doentes que se contaminaram no estado.

Mesmo com a situação estável, a deputada Odete de Jesus (PRB) protocolou um pedido de audiência pública para a comissão de saúde da assembléia legislativa para discutir o assunto. “Fizemos uma audiência sobre o tema em novembro, mas, de lá para cá, de surto virou epidemia. Queremos saber se os índices de focos continuam os mesmos”, justifica.

Segundo a deputada, o período de verão traz muitos turistas e o fluxo de veículos é grande, o que pode influenciar no número de focos do mosquito. “A população precisa ser informada sobre a situação. O pedido de audiência foi deferido e aguardamos apenas a confirmação da data”, revela.

Na Amurel, conforme dados do programa de controle da dengue da regional de saúde, em Tubarão, dois focos foram registrados este ano: um em Tubarão e outro em Laguna. “A equipe de campo, do programa municipal, detectou um foco e a situação está controlada. A área de 300 metros foi delimitada e todos estão vigilantes”, afirma a coordenadora regional, Cláudia Ochs.

Dificuldades
Uma das dificuldades encontradas pelos agentes de controle da dengue é que os moradores não são receptivos. “As pessoas resistem e, muitas vezes, não deixam os agentes olharem a residência. Isso prejudica bastante o nosso trabalho”, relata. Cláudia alerta a população para que os cuidados com água parada sejam redobrados. “Estamos no outono, entretanto, continua quente e isso facilita a reprodução dos mosquitos”, adverte.

Em Capivari de Baixo, a prevenção à doença é uma das preocupações da secretaria de saúde da prefeitura. “Vamos solicitar à regional de saúde mais informações para repassar à população, como panfletos. Além disso, iremos intensificar o trabalho dos agentes de combate à dengue”, afirma o secretário de saúde da prefeitura, Ricardo Arboite.