Zahyra Mattar
Tubarão

As comunidades do centro e do Fábio Silva, em Tubarão, terão que dispensar boas doses de paciência e aguardar um pouco mais a solução de um problema comum nas duas localidades: as casas abandonadas. No centro, uma residência de alvenaria, na travessa Antônio Magalhães de Castro, é motivo de ‘enxaqueca’ aos vizinhos do imóvel. O local está fechado há muito tempo e foi descoberto por ladrões e andarilhos. Eles passaram a utilizar a ‘pousada gratuita’ como ponto de tráfico de drogas, de uso de entorpecentes e depósito de materiais furtados.

No Fábio Silva, os moradores da rua Treze de Maio têm a mesma preocupação com um casa – ou o que sobrou da edificação de madeira. O local desmoronou parcialmente e tornou-se um amontoado de madeira e lixo, prato cheio para o mosquito da dengue e os ratos reproduzirem-se.

A vigilância sanitária de Tubarão chegou a ir até os dois endereços, mas como, por lei, é impedida de entrar em imóveis particulares que não sejam comerciais, as mãos ficam atadas. O caso foi passado ao departamento de meio ambiente, ligado à secretaria de planejamento da prefeitura.
Até ontem, nenhuma solução foi anunciada para resolver o problema. Também não há informação se alguém do departamento cuida do assunto ou conseguiu ir até os dois pontos para observar a situação das duas comunidades e estudar o que poderá ser feito.