Imbituba/aguna

O carnaval chegou ao fim, mas deixou um saldo de mais de 800 toneladas de lixo recolhidas nas cidades de Imbituba e Laguna. O trabalho de limpeza foi realizado por diversos funcionários nas duas cidades. Durante os cinco dias de folia, de sexta-feira (21) a terça-feira (25), milhares de turistas passaram pelos dois municípios.

Todos os anos a história se repete. Os foliões que fazem a festa no Carnaval deixam um rastro de lixo pelas ruas e avenidas. Por diversos locais foi possível encontrar: latinhas, garrafas plásticas, pontas de cigarro, embalagens plásticas e caixas de papelão.  Foram inúmeras as coletas diárias em Imbituba e também na Cidade Juliana, as equipes vinham descarregavam e voltavam para recolher os resíduos. Os trabalhos iniciavam ainda na madrugada e se encerravam por volta das 20h todos os dias.

Nas duas cidade, o problema não seria a quantidade de lixo nas lixeiras, mas no chão. Ainda de madrugada, algumas pessoas se surpreenderam com os cenários poluídos das vias. Pilhas de garrafas, latas e sacolas tomavam conta de partes da pista e pelas calçadas. Foram colocados nas ruas e avenidas dezenas de lixeiras, porém, o lixo espalhado foi o que sobrou após o Carnaval de rua.

Conforme o superintendente de Resíduos sólidos da prefeitura de Imbituba, Olivar Francisco Filho, nestes cinco dias de folia, foram recolhidas mais de 300 toneladas de lixo na cidade. “A maior parte foi na localidade de Ibiraquera e Praia do Rosa e no centro. Quanto aos resíduos recicláveis foram recolhidas 15 toneladas. A coleta é feita por uma cooperativa. Nossas praias e toda a cidade já está limpa”, afirma.

Tanto na cidade portuária quanto em Laguna, a recomendação era: não jogue lixo no chão, evite os copos descartáveis e tente separar os itens recicláveis — especialmente o que for de vidro. No entanto, não foi bem isso que ocorreu.

Em Laguna, a prefeitura por meio da Secretaria de Obras realizou limpezas nestes dias não somente referente a coleta de lixo, mas foram realizadas manutenções nas bocas de lobo, especialmente nas regiões do Mar Grosso e Magalhães. Lixeiras foram colocadas nas ruas, assim como caçambas maiores.