O jovem Carlos Acutis, que morreu aos 15 anos, com leucemia, teve o seu túmulo aberto nesta quinta-feira (1º) no Santuário de Espoliação em Assis, na Itália, para visitação do público. O que mais impressiona é o estado de conservação do corpo mesmo após 14 anos do seu falecimento.

A beatificação de Acutis está marcada para o próximo sábado (10). Ele tornou-se conhecido pelo histórico de vida e criação católica. Carlo visitava locais onde ocorreram milagres eucarísticos ao redor do mundo. O jovem documentava e catalogava em um site criado por ele.

O padre Fábio Vieira, que vive na Itália e acompanha de perto o processo de beatificação de Carlo, afirma estar passando por momentos únicos. Ele esteve presente no momento da abertura do túmulo e tem publicado nas redes sociais a emoção que é participar do processo.

“Tem gente falando muita bobagem por aí, que o corpo do Carlo é cera. Não tem nada de cera. Lógico que teve todo um tratamento, afinal foram 13 anos sepultado. Estive depois da exumação e posso testemunhar, Deus quando faz, faz perfeito, não pela metade, Ele simplesmente faz”, relata.

Ele comentou nas redes que a aparência de Carlo é de um jovem dormindo. “Parece que está dormindo. Posso testemunhar porque logo depois da exumação vi o corpo do Carlo, vi quando ele foi vestido há três semanas”, reforça.

 

Beatificação

A celebração de beatificação será no sábado (10), na Basílica de São Francisco, em Assis, mas o corpo permanecerá no Santuário de Espoliação e somente uma relíquia (símbolo da santidade) será levada ao local. A estimativa é de que cerca de 3 mil pessoas estejam no local.

Até o dia 17 de outubro, o corpo permanecerá exposto para a visitação dos fiéis. Neste dia, após uma celebração às 10h30, no Santuário, o túmulo do beato será fechado.

 

Resumo da história

Carlo Acutis nasceu em Londres, em 1991. Tornou-se devoto quando criança a Mãe de Deus e recitava rosários frequentes como sinal de sua devoção por ela. Ele comungava frequentemente e sempre refletia antes ou depois da missa diante do sacrário.

Logo que contraiu leucemia, ofereceu sua dor tanto pelo papa Bento XVI, quanto pela Igreja Católica, na qual ele disse que “eu ofereço todo o sofrimento que hei de ter pelo Senhor, pelo Papa e pela Igreja”.

Ser apaixonado por computadores levou Acutis a criar um site no qual catalogou cuidadosamente cada milagre relatado. Catalogou desde os onze anos. Ele também gostava de edição de filmes e quadrinhos. Uma das frases registradas foi: “quanto mais eucaristia recebemos mais nos tornaremos como Jesus, para que nesta terra tenhamos

uma antecipação do céu”.
O médico que o tratou perguntou se ele estava sofrendo muita dor e jovem respondeu: “há pessoas que sofrem muito mais do que eu”. Sua morte ocorreu em 12 de outubro de 2006, e foi enterrado em Assis de acordo com seus desejos.

Em janeiro de 2019, o seu corpo foi exumado e foi descoberto que estava incorrupto, ou seja, não entrou em decomposição. Em abril, foi transferido para uma igreja em Assis, onde espera pela beatificação.

 

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul