Capivari de Baixo registra 1° foco do Aedes Aegypti de 2021

As larvas foram capturadas em uma das armadilhas espelhadas pelo município, esta estava nos arredores do prédio do Centro de Atenção Psicossocial (Caps), na região central.

A equipe de agentes de endemias da prefeitura de Capivari de Baixou localizou, nesta quarta-feira (7), o primeiro foco do ano do mosquito Aedes Aegypti. As larvas foram capturadas em uma das armadilhas espelhadas pelo município, esta estava nos arredores do prédio do Centro de Atenção Psicossocial (Caps), na região central.

De imediato, as agentes delimitaram uma área de 300 metros nos arredores e iniciaram, ainda hoje, uma varredura completa na tentativa de coletar outros focos. O material foi capturado e encaminhado. Este trabalho leva em torno de dois a três dias para ser feito. O alerta em Capivari de Baixo já foi cadastrado no sistema da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive-SC) e as coletas positivadas encaminhadas à Gerência Regional de Saúde de Tubarão.

O trabalho na cidade termelétrica é realizado pelas agentes Tatiana Farias e Deise de Aguiar Venâncio, que realizam uma série de ações preventivas e pedem para que o capivariense fique atento no quintal das suas casas, principalmente em locais que possam acumular água ou poças, como pneus, garrafas e resíduos em geral, além de tampas de vasos e caixas d’água, todos esses locais bem propícios à proliferação de larvas do mosquito.

“Sobre o foco e as larvas positivadas que encontramos, somos obrigados a destruir a armadilha, na verdade flambar (fazer assepsia de por meio de chamas) ou queimar. Vamos seguir firmes neste controle. O mosquito pode até matar e causar uma série de doenças”, alerta Tatiana.

O novo secretário de Saúde da prefeitura, Kauê Angeramis Luciano – que assumiu nesta quarta -, preocupado com a localização deste primeiro foco no ano, também solicita o apoio da comunidade. “Foi aceso um sinal de alerta, mas a equipe de endemias agiu rápido e já está em campo realizando esta importante varredura. Contamos com o apoio do cidadão para que recebam as agentes em suas casas para realizar este rastreamento. O público também pode ajudar fazendo ou mantendo a limpeza individual de cada espaço particular”, convoca Kauê.

Perigo!
O mosquito Aedes aegypti é o vetor de diversas doenças causadas por vírus, como dengue, zika, chikungunya e febre amarela. Ao picar uma pessoa doente, o mosquito é infectado e pode transmitir a doença a uma pessoa sadia.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul