A Diamante Geração de Energia e a Satc, por meio do Centro Tecnológico (CTSatc), formalizaram o início de uma pesquisa que trará novas utilidades para as cinzas geradas com a queima do carvão mineral. O estudo envolve o uso de zeólitas sintéticas (espécie de filtro de toxinas) em três aplicações: captura de CO2, fertilizantes e detergentes.

O projeto de pesquisa, foi assinado na última semana com a participação diretor executivo da Satc, Fernando Luiz Zancan, e o CEO da Diamante, Pedro Litsek, e envolve o investimento de R$ 5,4 milhões, aplicados em três anos de estudos.

A primeira fase da pesquisa consiste na criação de uma planta-piloto que será construída no Centro Tecnológico Satc (CTSatc). Ela permitirá que a equipe multidisciplinar faça os estudos iniciais. As zeólitas sintéticas tem como matéria-prima principal as cinzas do carvão mineral, que é resultado da queima no Complexo Termelétrico Jorge Lacerda, em Capivari de Baixo.

“Há empresas no mercado que comercializam zeólitas naturais. Nós estamos trabalhando com a sintética, que existe no mercado internacional, mas no brasileiro restringe-se apenas ao setor de refino de petróleo”, explica o pesquisador do CTSatc, Thiago Fernandes de Aquino.

De acordo com o CEO da Diamante, Pedro Litsek, a importância da planta-piloto vem de encontro a transição energética justa, e com a diminuição da emissão de CO2. “Esse projeto possui grande relevância no momento que estamos vivendo, especialmente depois da promulgação da Lei 14.299, que estabeleceu o programa de transição justa. Temos aqui não só um caminho para captura do CO2, mas também para o uso mais nobre das cinzas produzidas no processo de queima do carvão”, explica Litsek.

A equipe que será montada para atuar no projeto é multidisciplinar e terá mais de 10 participantes. Com o conhecimento diverso, os pesquisadores farão os testes para aplicabilidade. Uma das funções envolve a captura de gás carbônico, emitido na produção industrial. “Queremos replicar os resultados obtidos nos testes de bancada e criar um adsorvente de baixo custo com foco na inserção de mercado”, ressalta Aquino.

Outro aspecto da pesquisa é a utilização na indústria de detergentes. As empresas do segmento fazem o uso da zeólita no processo produtivo. Conforme o pesquisador, na Europa e América do Norte essa aplicação é mais comum.

Há ainda o direcionamento para aproveitamento dos produtos zeolíticos no setor de fertilizantes. O estudo será unido a outro, já em andamento no CTSatc, e que avalia o uso da zeólita com fertilizantes de aplicação lenta. Há um contêiner que está medindo os parâmetros da aplicação em plantas num ambiente controlado. “Vamos colocar outro contêiner para aumentar o volume dos testes”, informa Aquino.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul

Fonte: