Tubarão

A Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza (Gripe) terá início nesta quarta-feira (10) e seguirá até o dia 31 de maio. O Dia D da mobilização será no próximo dia 4. Para este ano, a novidade é em relação à faixa etária das crianças, que foi estendida de 6 meses para até 6 anos incompletos (até 5 anos, 11 meses e 29 dias). 

Além desse grupo, devem ser imunizadas as pessoas acima de 60 anos de idade ou mais, as gestantes, as puérperas (até 45 dias após o parto), os trabalhadores da saúde, os professores das escolas públicas e privadas, os povos indígenas, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clinicas especiais, os jovens que cumprem medidas socioeducativas. A vacina é contraindicada para pessoas com alergia grave (anafilaxia) a algum componente da vacina ou à dose anterior.

A influenza ou gripe é uma infecção aguda do sistema respiratório, ocasionada pelo vírus influenza, com elevado potencial de transmissão. Inicia-se com febre, dor muscular, e tosse seca. Em geral, tem evolução por período limitado, em geral de um a quatro dias, mas pode se apresentar forma grave.

A gripe propaga-se facilmente e é responsável por elevadas taxas de hospitalização. Idosos, crianças, gestantes e pessoas com doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, ou imunodeficiência são mais vulneráveis aos vírus. Um indivíduo pode contrair a gripe várias vezes ao longo da vida.

Sintomas:

Clinicamente, a doença inicia-se com febre, em geral acima de 38°C, seguida de dor muscular e de garganta, prostração, cefaleia e tosse seca. A febre é o sintoma mais importante e dura em torno de 3 dias. Os sintomas sistêmicos são muito intensos nos primeiros dias da doença. Com a sua progressão, os sintomas respiratórios tornam-se mais evidentes e mantêm-se em geral por 3 a 4 dias, após o desaparecimento da febre. Adulto – O quadro clínico em adultos sadios pode variar de intensidade Criança – A temperatura pode atingir níveis mais altos, sendo comum o achado de aumento dos linfonodos cervicais e também podem fazer parte os quadros de bronquite ou bronquiolite, além de sintomas gastrointestinais Idoso – quase sempre se apresentam febris, às vezes, sem outros sintomas, mas em geral, a temperatura não atinge níveis tão altos. Os demais sinais e sintomas são habitualmente de aparecimento súbito, como: Calafrios Mal-estar Cefaleia Mialgia Dor de garganta Dor nas juntas Prostração Secreção nasal excessiva Tosse seca Podem ainda estar presentes: Diarreia Vômito Fadiga Rouquidão Olhos avermelhados e lacrimejantes.

A influenza não dá trégua!

A gripe ainda é um dos maiores desafios de saúde pública do mundo. A cada ano conforme a Organização Mundial de Saúde (OMS), há um bilhão de casos de influenza. Dessas ocorrências, de 3 a 5 milhões são graves ao ocasionar de 290 mil a 650 mil mortes por doenças respiratórias relacionadas. Devido as mutações do vírus influenza, é necessário vacinar-se anualmente para evitar casos mais graves, internações ou até mesmo óbitos. 

“A forma mais efetiva de se prevenir contra a doença é a imunização. No entanto, vale lembrar que o vírus Influenza é divido em tipos, subtipos e linhagens, que sofrem mudanças constantes. Essas variações são estudadas e repassadas para a confecção das vacinas, que devem compor as cepas anuais circulantes. Com isso, necessário essa reposição anual para livrar-se das complicações causadas pelo vírus”, alerta o médico da Pró-Vida, Evandro Antunes.

De acordo com a OMS a vacina influenza trivalente, comumente usadas nas campanhas nacionais de vacinação, contém duas cepas A e uma B. A quadrivalente, proporciona maior proteção por conter uma cepa B adicional, ou seja, tem duas A e duas B. Vacina que já está disponível na clínica e nas demais redes particulares. “A vacina contra gripe é segura e reduz as complicações que podem evoluir para casos graves da doença. Crianças, jovens, adultos e idosos, enfim, todos devem se vacinar”, orienta.

Segundo o profissional, as exceções são somente quem possui histórico grave de alergia a ovo, que deve receber dose somente em ambiente hospitalar. Quem estiver com alguma doença febril, desde aguda até grave, é recomendado adiar a vacina para quando estiver melhor e para as pessoas com histórico de anafilaxia de doses anteriores da influenza. Nesse caso, recomendam-se avaliação médica criteriosa para avaliação do quadro.

Conforme publicação do Diário Oficial da União (DOU), na Resolução RE 2.714 da Anvisa, a composição das vacinas influenza a serem utilizadas no Brasil em 2019 são:

Vacina influenza trivalente, contém:
– Um vírus similar ao vírus influenza A/Michigan/45/2015 (H1N1) pdm09.
– Um vírus similar ao vírus influenza A/Switzerland/8060/2017 (H3N2).
– Um vírus similar ao vírus influenza B/Colorado/06/2017 (linhagem B/Victoria/2/87).

Vacina influenza quadrivalente, contém:
Três tipos especificados na vacina trivalente e mais um vírus similar ao vírus influenza B/Phuket/3073/2013 (linhagem B/Yamagata/16/88).