Amanda Menger
Tubarão

Geraldo Pereira, o Jarrão (PMDB), foi eleito presidente da câmara de vereadores de Tubarão durante sessão realizada sábado. Porém, ele não ficará no cargo. Renunciará para que o vice, João Fernandes, assuma a presidência.

“Acordo firmado, acordo cumprido. Vou renunciar para que João assuma o cargo, como combinamos. Vou encaminhar o documento com a renúncia até segunda-feira (hoje)”, revela Jarrão.

A sessão que escolheu a nova mesa diretora durou pouco mais de uma hora e foi tumultuada. Os vereadores trocaram acusações na hora em que apresentaram os seus votos. Uma parte do público chegou a vaiar e a chamar João de traidor quando este passou a explicar o seu voto.

“Não sou traidor, não traí acordo nenhum e muito menos o prefeito Dr. Manoel Bertoncini (PSDB). Dionísio Bressan (PP) pediu a presidência da câmara para o biênio 2011-2012. Falei com o presidente do PDT, o Ronério Cardoso, e ele disse que o acordo com o PP era um blefe para eles conseguirem apoio”, declara João.

Dionísio rebateu as críticas. “Eu nunca pedi para ser presidente. A solicitação foi feita pelo Partido Progressita, para que já deixássemos definido o biênio 2011-2012, mas não que o cargo fosse para mim. Aliás, eu não concordei. Acredito que é melhor definirmos isso mais tarde, porque depende do cenário político”, argumenta.

O placar ficou empatado em 5 a 5. Os vereadores João Batista de Andrade (o Sargento Batista – PSDB), Nilton de Campos (PSDB), Deka May (PP), Dionísio (PP) e Edson Firmino votaram na chapa 2, encabeçada por Sargento Batista e Firmino. Já os vereadores João (PSDB), Jarrão (PMDB), Ivo Stapazzol (PMDB), Maurício da Silva (PMDB) e Evandro Almeida (PMDB) votaram na chapa 1, liderada por Jarrão e João. O critério de desempate previsto no estatuto é a idade. Então, com oito anos a mais que Sargento Batista, o cargo ficou com Jarrão.

João será processado no conselho de ética
Após a sessão que elegeu Gerlado Pereira, o Jarrão (PMDB), como presidente da câmara de vereadores de Tubarão, membros da executiva do PSDB confirmaram que abrirão processo disciplinar no conselho de ética do partido contra o vereador João Fernandes (PSDB).

A justificativa é que João desrespeitou o fechamento de questão, ou seja, a determinação da bancada de votar na chapa 2, formada por João Batista de Andrade, o Sargento Batista (PSDB), e Edson Firmino (PDT).

“Vamos juntar a documentação e abrir o processo. Caberá ao conselho de ética do partido decidir pela possível desfiliação dele e até mesmo a perda do mandato. Temos base legal para enquadrar o caso em infidelidade partidária”, explica o Sargento Batista.

João diz que não se arrepende da decisão e não teme perder o cargo. “Há muitos rumores e poucos fatos. Vamos aguardar e ver o que ocorre”, afirma o vereador.

Segundo João, o prefeito não terá problemas de governabilidade com a mesa diretora sendo do PMDB. “Aliás, eu estou trazendo quatro vereadores para o Dr. Manoel Bertoncini (PSDB). Serei o elo entre ele e o PMDB”, declara.