#Pracegover foto: na imagem há uma xícara com café, um braço, mão e uma pedra de mármore
#Pracegover foto: na imagem há uma xícara com café, um braço, mão e uma pedra de mármore

O pó de café, o açúcar e o ovo foram os grandes vilões das compras de supermercado nos últimos nove meses, segundo o indicador Abrasmercado, da Associação Brasileira dos Supermercados (Abras) divulgado nesta sexta-feira. O índice avalia o comportamento dos preços de 35 produtos de largo consumo nos locais de compra.

O café, tradicional nas casas e escritórios brasileiros, registrou alta de 33,9% no acumulado de janeiro a setembro deste ano, seguido por:

• Açúcar (30,3%);
• Ovo (22,5%);
• Frango congelado (21,3%);
• Carne dianteiro (12,9%);
• Carne traseiro (8,9%);
• Leite longa vida (4,9%);
• Feijão (1,8%); e
• Óleo de soja (1,5%).

Em um ano – de setembro de 2020 a setembro de 2021 –, o preço do frango congelado subiu 40,2%, seguido por:

• Açúcar (38,8%);
• Café (37,1%);
• Óleo de soja (34,9%);
• Carne dianteiro (28,7%);
• Ovo (27,7%);
• Carne traseiro (26,0%);
• Pernil (9,0%);
• Feijão (8,8%);
• Arroz (0,8%); e
• Leite longa vida (0,6%).

Preço do arroz, cebola registrou queda no acumulado do ano

O arroz, um dos grandes vilões da cesta básica nacional, resolveu dar um alívio no bolso do consumidor, registrando baixa de 14,5% no acumulado do ano e de 30,9% em 12 meses. Na sequência aparece a cebola: baixa de 19,7% no acumulado do ano e de 30,9% em 12 meses.

Variação de preço por marca pode chegar a 234%

A pesquisa da Abras também trouxe uma novidade nesta edição: a comparação de preço de produtos como arroz, feijão, óleo de soja, açúcar, café e leite longa vida por marca. A maior variação foi registrada no preço do pacote de espaguete (500g). A diferença de preço entre o produto mais barato (R$ 1,76) e do mais caro (R$ 5,99) era de 234%.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul

Fonte: Correio do Povo