Tubarão

O processo para lacrar as câmaras de bronzeamento artificial nos salões e clínicas de beleza de Tubarão inicia hoje. O trabalho será feito pela Vigilância Sanitária, em cumprimento à medida da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que proibiu o funcionamento das câmaras de bronzeamento artificial para fins estéticos no Brasil.

Segundo o diretor de Vigilância Sanitária do município, Elias Gonçalves, existem oito empresas cadastradas com este tipo de equipamento em Tubarão. “Sabemos, através de denúncias, que existem aproximadamente 15 locais que funcionam clandestinamente com estes equipamentos. Inclusive, em um deles, há oito câmaras em uso”, revela Elias.

A decisão da Anvisa foi tomada após o anúncio do resultado de uma pesquisa feita pela Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer (IARC), ligada à Organização Mundial da Saúde (OMS). O estudo incluiu que a prática do bronzeamento artificial aumenta em 75% o risco do desenvolvimento de melanoma em pessoas que se submetem ao procedimento até os 35 anos.
A proibição da Anvisa já está em vigor desde o começo do mês passado. Quem descumprir as regras estará sujeito a multas de até R$ 1 milhão.