A primeira das Copas do Mundo de 2022 em que o Brasil terá de mostrar talento com a bola no pé terminou da melhor forma possível. No último domingo (10), o país conquistou o bicampeonato mundial de futsal para jogadores com síndrome de Down, realizado em Lima (Peru). O título veio de maneira emblemática: com goleada por 5 a 1 sobre a Argentina.

O feito tornou o Brasil o maior vencedor da competição, ultrapassando a Itália, que havia ganhado a primeira edição, em 2018, em Portugal. No ano seguinte, em Ribeirão Preto (SP), os brasileiros levantaram a taça pela primeira vez, também batendo os argentinos na decisão.

“Concentramos dias antes [do Mundial] no Centro de Treinamento Paralímpico [em São Paulo] e a seleção mostrou a diferença de uma concentração, de um treinamento. O Brasil vem crescendo bastante no cenário do futsal Down e estamos muito felizes pela conquista”, disse o técnico Cleiton Monteiro antes da volta para casa.

A delegação retornou ao Brasil na segunda-feira (11) à noite, com o troféu carregado pelo capitão Renato Gregório, eleito o melhor jogador da competição em Lima. Outro destaque foi o ala Júlio Silva, responsável por 21 dos 50 gols marcados pelos brasileiros em cinco jogos. Só na final, ele balançou as redes quatro vezes.

Apesar do placar elástico, a final foi a partida mais “complicada” para o time brasileiro, que havia vencido os quatro compromissos anteriores marcando ao menos dez gols em cada um deles. Na primeira fase, as vitimas foram Uruguai (12 a 1), Chile (13 a 2) e Turquia (10 a 0). Na semifinal, novo triunfo por 10 a 0, desta vez sobre Portugal.

O Mundial, inicialmente, seria em 2020, na cidade de Antalya (Turquia), durante o Trisome Games, uma “Olimpíada” para pessoas com síndrome de Down, mas foi suspenso, devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19). O Trisome Games (cujo nome é alusivo à trissomia do cromossomo 21 na célula humana) foi adiado para 2024, novamente em território turco, mas a competição de futebol acabou transferida para Lima e retornará a Antalya daqui dois anos.

A participação brasileira no Mundial (quando ele ainda seria na Turquia) esteve ameaçada por falta de recursos. Uma vaquinha online foi feita para tentar arrecadar os R$ 256 mil que custeariam passagens aéreas, hospedagem, alimentação e taxas de disputa. Pouco mais de R$ 60 mil foram obtidos na época, o que ainda era insuficiente. Vale lembrar que o futsal Down, embora voltado a pessoas com deficiência, não faz parte do programa paralímpico, tornando a captação de apoio e visibilidade um desafio a mais.

O cenário, felizmente, mudou para a seleção. Cerca de um mês antes do evento em Antalya, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) anunciou uma parceria com a Confederação Brasileira de Desportos para Deficientes Intelectuais (CBDI), entidade responsável pelo futsal Down, para viabilizar a ida à competição. Pouco antes da pandemia, uma marca de salgadinhos fechou patrocínio com a equipe, assim como uma empresa de lâminas de barbear, há um ano.

Os apoios, segundo Monteiro, foram mantidos, mesmo depois do adiamento da competição e da mudança de sede. Solucionada a questão financeira, o desafio foi manter o grupo ativo em meio às restrições da pandemia. O primeiro treino presencial aconteceu em outubro de 2021, quase dois anos após a última atividade.

“Fizemos os treinamentos online e conversamos muito. Eles estudaram o que é o futsal e quais as novas metodologias de treinamento. Assim que conseguimos retornar aos treinos presenciais, eles colocaram tudo em prática e isso fez bastante diferença. Foi bem legal”, contou o técnico da seleção brasileira, que, antes de buscar o tricampeonato mundial em 2024, terá pela frente a Copa América no ano que vem, em São Paulo.

Após a seleção de futsal Down, mais uma equipe brasileira inicia, ainda neste mês, a jornada em outra Copa do Mundo de futebol. A partir do próximo dia 27, em Salou (Espanha), o Brasil disputa o Mundial de futebol de PC (paralisados cerebrais, antes chamado futebol de sete). O time canarinho busca uma conquista inédita na modalidade, depois de dois vice-campeonatos (2003 e 2013). Na última edição, em 2019, realizada em Sevilha (Espanha), o grupo ficou na terceira posição.

 

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul

Fonte: Agência Brasil