Liliane Dias
Braço do Norte

Ao contrário do que se acredita, o não-cumprimento da regulamentação do título eleitoral pode, sim, causar prejuízos ao eleitor. De acordo com o chefe de cartório da comarca de Braço do Norte, Adriano Machado Luciano, dependendo do motivo o eleitor pode não conseguir uma certidão de quitação eleitoral (usada para a emissão de passaportes e concursos públicos), além de ter o título cancelado.

O cancelamento pode ocorrer se o eleitor não comparecer para regularizar seu título no prazo pré-determinado. Exemplo disso são os municípios de Rio Fortuna e São Martinho, que passaram por revisão eleitoral. “Todas as pessoas que votam nessas cidades precisavam comparecer para regularizar. Quem não compareceu, está com os títulos cancelados até normalizarem a situação. Porém, não poderão votar nas eleições de outubro”, explica.

Outra situação em que o título é cancelado é no caso do eleitor não comparecer e não justificar o voto por três vezes consecutivas. “Automaticamente ele não conseguirá votar até que procure o cartório eleitoral. É importante mencionar que os eleitores e, eventualmente, não tenham votado, não estão incluídos neste caso. A penalidade é para as três eleições consecutivas”, ressalta.

Já a suspensão, refere-se a condenações criminais. A partir do momento que uma pessoa cumpre pena tem seu direito de voto suspenso. Após o cumprimento, readquire o direito eleitoral. Porém, é necessário que regularize a sua situação em um cartório eleitoral. “Em todos estes casos, quem não regularizou até o último dia 7 não poderá voltar”, ressalta o chefe de cartório.

Movimentação
Nos últimos três dias, o cartório eleitoral de Braço do Norte atendeu cerca de 700 pessoas. Os números total de eleitores que passaram nos municípios da comarca poderão ser fornecidos após o dia 20.
Em São Ludgero, Rio Fortuna e Santa Rosa de Lima o atendimento foi manual. “Precisamos terminar de digitar os lotes destas cidades para apresentar os números oficiais”, finaliza.