O presidente Jair Bolsonaro terá de fazer um novo teste de coronavírus nos próximos dias e, até lá, ficar em isolamento, como antecipou o estadao.com.br. O presidente afirmou pelas redes sociais não ter sido diagnosticado com a doença. Um pouco antes, a emissora de TV americana Fox News informou que um primeiro exame teria dado positivo, creditando a informação ao deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Depois, ele negou ter dado a informação. O Estado pediu, oficialmente, cópia do resultado à Presidência, que não a havia fornecido até a publicação deste texto.

Segundo médicos da equipe que acompanha o presidente, as medidas fazem parte dos protocolos internacionais de combate ao novo coronavírus e serão necessárias pelo tempo que Bolsonaro passou ao lado do secretário da Comunicação,Fabio Wajngarten, diagnosticado com a doença na quinta-feira. O auxiliar fez parte da comitiva que acompanhou o presidente em viagem aos Estados Unidos.

A quarentena do presidente deve durar até o começo da próxima semana para que se cumpra um prazo mínimo de sete dias após o último contato com a doença, segundo informou um integrante da equipe médica ao Estado, em caráter reservado. O último encontro de Bolsonaro com Wajngarten foi na madrugada de quarta-feira, quando retornaram ao Brasil.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera que o tempo de incubação do vírus é de 14 dias. Em fevereiro, quando brasileiros foram repatriados da China por causa do coronavírus, todos tiveram que ficar em isolamento por 14 dias mesmo após os testes darem negativo. O grupo precisou refazer os exames a cada três dias.

O novo procedimento foi discutido entre os profissionais da saúde que prestam serviço à Presidência na tarde desta sexta-feira, 13 . Antes da nova orientação para seguir em isolamento, Bolsonaro deixou o Palácio da Alvorada e foi despachar no Planalto, onde ficou por cerca de 1h30. Segundo auxiliares, o presidente decidiu voltar ao trabalho tão logo recebeu o resultado, por volta de meio-dia, de que o teste para o coronavírus havia dado negativo. Bolsonaro não apresenta sintomas, segundo pessoas que estiveram com ele.

Ao deixar o Alvorada, o presidente parou para falar com alguns apoiadores em frente à residência oficial, mas tomou precauções. “Apesar de meu teste ter dado negativo, não vou apertar a mão de vocês”, disse, sem se aproximar da grade. Apesar da recomendação médica, auxiliares temem que Bolsonaro queira cumprir agendas externas no fim de semana.