O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quinta-feira (25), que, se dependesse dele, não haveria Carnaval em 2022. A declaração foi dada em entrevista à Rádio Sociedade da Bahia, após pergunta sobre a nova onda de Covid-19 na Europa e restrições impostas por alguns países como forma de frear o avanço da doença.

Por outro lado, ele também afirmou ser contra a aplicação de medidas restritivas no Brasil em razão da economia. Questionado como via as medidas impostas na Europa e se era favorável à realização do Carnaval. Bolsonaro respondeu:

“Por mim não teria Carnaval. Só que tem um detalhe: quem decide não sou eu. Segundo o Supremo Tribunal Federal, quem decide são os governadores e os prefeitos. Não quero aprofundar nessa que poderia ser uma nova polêmica.”

O mandatário fez uma referência à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que deu autonomia a estados e municípios para tomar medidas de combate à pandemia, embora sem isentar o governo federal de responsabilidades. Bolsonaro, notório opositor das medidas de restrição, culpou governadores e prefeitos pelas mortes da pandemia, citando o Carnaval de 2020, que não foi cancelado.

“Em fevereiro do ano passado, ainda estava engatinhando a questão da pandemia, pouco se sabia, praticamente não havia óbitos no Brasil, eu declarei emergência, e os governadores e prefeitos ignoraram, fizeram o Carnaval”, lamenta.

O presidente relembra que as consequências vieram. “Chegamos a 600 mil óbitos. E alguns tentaram imputar a mim essa responsabilidade. Não tenho culpa disso. Não estou esquivando, nem apontando outras pessoas. É uma realidade, é uma verdade. Todo o trabalho de combate à pandemia coube aos prefeitos e aos governadores. O que coube a mim? Mandar recursos”, disse Bolsonaro.

Sobre as restrições na Europa, o presidente disse: “Estou vendo que alguns países da Europa estão retomando sim medidas de lockdown. Se tiver outro locldowns no Brasil, em estados e municípios, vai quebrar de vez a economia. Esse é a nossa preocupação”.

Entre outras declarações, o chefe do Executivo ainda afirmou que a vacina contra covid-19 perde validade depois de seis meses. “Quem está contaminado tem imunidade por muito mais tempo, isso está comprovado”, declarou, sem respaldo científico. Na verdade, a imunidade induzida pelas vacinas é mais duradoura e efetiva do que a obtida pela contaminação, de acordo com especialistas.

 

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul

Fonte: O Povo