Beatriz Demétrio Oliveira
Beatriz Demétrio Oliveira

 

Zahyra Mattar
Tubarão
 
A pequenina Beatriz Demétrio Oliveira fará 3 anos no dia 16 do próximo mês. O maior presente que pede poderá vir de um desconhecido anjinho: você! Bia foi diagnostica com talassemia major aos oito meses. A doença é um tipo de anemia muito profunda e, no caso dela, somente poderá ser curada com um transplante de medula.
 
Moradora do bairro Recife, em Tubarão, a garotinha não sabe o que é brincar no sol, por exemplo, ou tomar um banho de mangueira nos dias quentes. Bia não pode realizar atividades que qualquer outra criança saudável pode. Por ter a imunidade baixa, tudo é restrito.
 
Assim que saiu o diagnóstico, conta a mãe, Daniela Alevez Demétrio, a menina começou um tratamento com quimioterapia e transfusões. Existia a possibilidade da doença estacionar e ser controlada. Mas, infelizmente, não foi isso que ocorreu com Bia.
 
A talassemia major atinge três órgãos vitais: baço, fígado e coração. “O baço da Bia parou de funcionar. O órgão não foi retirado porque existe uma inflamação ao redor do fígado, que já começou a ficar comprometido. Por isso, estamos nesta luta para conseguir encontrar alguém compatível para o transplante”, pede Daniela.
 
Todos na família de Bia fizeram o teste, mas ninguém pode ser o anjinho salvador da menina. Quem sabe você possa! O teste é simples e indolor (é só um pique para coletar 5 ml de sangue). Em caso de compatibilidade, o próprio Hemosc entra em contato para convidar à boa ação.
 
“O transplante é o único meio que tenho para realizar o maior sonho da Bia: ir para a escola. Ela não pode frequentar lugares com muitas pessoas em virtude da doença. Quem tiver disponibilidade, imploro para que faça o teste em nome dela”, clama a mãe.
 
Saiba como fazer o teste na região
Os riscos para o doador de medula são poucos e relacionados a um procedimento que necessita de anestesia. Todos os testes são feitos antecipadamente e tudo é muito confiável. Não existe custo nenhum. Tudo é bancado pelo sistema público de saúde.
O procedimento é simples e a recuperação instantânea. Não é necessária internação. É retirada do doador a quantidade de medula óssea necessária (menos de 15%). Dentro de poucas semanas, o próprio organismo repõe o que foi removido.
Na região, quem puder e tiver disponibilidade em ajudar pode efetuar o teste no Hemosc em Criciúma ou na unidade de coleta em Tubarão. Na Cidade Azul, o local fica na rua Santos Dumontt, no centro da cidade (é a rua lateral da sede da Celesc). O telefone para sanar qualquer dúvida é o 3621-2405. A unidade funciona das 7h30min às 12h30min.
 
Atualize os seus dados
Para quem já fez doação de sangue para fazer parte do banco de medula do Brasil, fica a dica mais importante: entre em contato com qualquer unidade do Hemosc no estado para atualizar o seu cadastro. Em muitos os casos, o banco de dados aponta que doador compatível, mas o problema é encontrar as pessoas cadastradas.
Atualmente, em Santa Catarina, existem 38 pessoas na fila, à espera de uma medula compatível para a realização do transplante. Quem não puder ajudar Beatriz pode dar esperança de vida para uma destas pessoas!