Wagner Silva
Grão-Pará

A iniciativa da agência do Banco do Brasil em Braço do Norte de reunir sindicalistas e empresas de assistência técnica poderá surtir bons resultados. A intenção é agilizar os pedidos de crédito, em especial do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Entre os assuntos discutidos estão as divulgações das normas do Pronaf, ainda não assimiladas por aqueles que procuram o banco, além da demanda e demora no atendimento das operações. Na avaliação do gerente da agência, Antônio Luiz de Lima, o Pitt, o encontro foi positivo. “Somos parceiros dos agricultores e procuramos formas de atender a alta demanda e expectativa da classe. Mas também precisamos do apoio destes sindicatos. Para aliviar o processo na agência, estes deverão realizar o custeio da produção”, explica o gerente.

Para o presidente do Sindicato Rural de Braço do Norte, Adriano Schueroff, o encontro demonstrou o interesse da agência em ouvir e resolver os problemas enfrentados pelos produtores. “São questões conhecidas. Ambos os lados têm problemas, mas serviu para sermos ouvidos e estudarmos juntos alternativas para minimizar”, destaca.

Inadimplência chega a R$ 840 mil
O gerente da agência do Banco do Brasil em Braço do Norte, Antonio Luiz de Lima, o Pitt, destaca que uma das maiores preocupações para liberação de novos créditos é a inadimplência. Somente de 2008, estão em aberto o pagamento de títulos no valor de R$ 840 mil, o que representa mais de 2% do que seria o aceitável pelo banco. “Estes números são preocupantes e o impacto disso é um possível fechamento na linha de crédito”, avalia.

A solução, segundo ele, é melhorar a forma de avaliação e maior conscientização dos produtores. “Eles devem avaliar melhor os investimentos. Por isso, é importante à assistência técnica, para orientar sobre o correto enquadramento nas linhas de crédito e a viabilidade financeira”, esclarece Pitt.