Zahyra Mattar
Tubarão

A greve dos bancários entra, nesta segunda-feira, no 11º dia. Às 9 horas, a categoria associada a base do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Tubarão e Região (SEEBTR) fará nova assembleia para deliberar se o movimento prossegue ou os trabalhadores aceitam a proposta feita no sábado pelas empresas.

O reajuste apresentado foi de 6,5% para salários até R$ 4,1 mil (aumento real de 2,12%). Acima desse valor haveria um reajuste fixo de R$ 266,50. Assim, em faixas salariais acima de R$ 6.212,00, o reajuste começa a ficar abaixo da inflação.

O piso para escriturário passaria de R$ 1.074 a R$ 1.180, o equivalente a um aumento de 9,82%. Quanto Participação nos Lucros e Resultados (PLR), os bancos ofereceram 6,5% de reajuste, um percentual ainda considerado baixo frente ao lucro das instituições financeiras.

“É importantíssimo que o movimento continue, ainda mais forte do que nunca, nesta segunda-feira. A tendência é que os índices aumentem, até porque nova roda de negociações está marcada”, sinaliza o presidente do SEEBTR, Armando Machado Filho.

Com uma nova possível proposta a ser apresentada nesta segunda, outra assembleia para deliberar a continuidade da greve será feita nas bases sindicais de todo o país na quarta-feira pela manhã. Até lá, a categoria segue de braços cruzados.

Caso haja avanços, a categoria pode voltar ao trabalho no período da tarde. Na base de Tubarão, 95% das agências fechadas. Das 45 agências da região, apenas as agências do Bradesco de Orleans, Braço do Norte e Lauro Müller tiveram expediente na última sexta-feira.

Reivindicações
• Reajuste salarial de 11% (os bancos ofereceram 4,29%, o mesmo indicador do INPC, o mais baixo. O percentual fica abaixo da inflação (4,49%).
• Maior Participação nos Lucros e Resultados (PLR).
• Medidas de proteção à saúde.
• Garantia de emprego e mais contratações.
• Maior segurança contra assaltos.