Zahyra Mattar
Tubarão

Sem nenhuma proposta nova apresentada, os bancários seguem em greve na região. Na base do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Tubarão e Região (SEEBTR), os trabalhadores votaram ontem, em assembleia, pela manutenção do movimento.

“Voltar ao trabalho agora é suicídio. Não conseguiremos nada. O momento é de fortalecer a greve pelo menos para forçar os bancos a voltarem a negociar”, valoriza o presidente do sindicato, Armando Machado Filho.

O período eleitoral fez com que as conversações fossem interrompidas. Armando acredita que nesta semana os sindicalistas devem ser chamados pelas empresas para tentar um denominador comum. A greve nacional da categoria iniciou na última quinta-feira. As partes negociam desde agosto, data-base da categoria. Contudo, ainda não chegaram a um acordo em relação, principalmente, ao índice de reajuste salarial.

Na base sindical de Tubarão, o movimento atinge as 16 cidades formadoras da região. O índice de paralisação atinge 85% das agências, o equivalente a aproximadamente 500 trabalhadores de braços cruzados. Todos são exclusivamente da rede pública de bancos.

Reivindicações
• Reajuste salarial de 11% (os bancos ofereceram 4,29%, o mesmo indicador do INPC, o mais baixo. O percentual fica abaixo da inflação (4,49%).

• Maior Participação nos Lucros e Resultados (PLR).

• Medidas de proteção à saúde.

• Garantia de emprego.
• Mais contratações.

• Maior segurança contra assaltos.