Desde a identificação do fenômeno denominado “cunha salina” no rio Tubarão, no início da semana, a prefeitura, Agência Reguladora, Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do rio Tubarão e Tubarão Saneamento, responsável pelos serviços de água e esgoto no município, continuam monitorando os parâmetros de qualidade da água e a influência da maré no rio.

O avanço da “cunha salina” ocorre a partir da redução da vazão de um rio, normalmente em épocas de estiagem ou demais fenômenos meteorológicos. Com isso, o equilíbrio de forças entre o rio e o oceano é afetado, permitindo o avanço da maré e a presença de água salgada ao longo do rio.

Devido às condições climáticas dos últimos dias, variação das marés e o forte período de estiagem, verificou-se que a “cunha salina” tem chegado próximo à captação de água. Porém, a água tratada pela Tubarão Saneamento continua dentro dos padrões de potabilidade exigidos pelo Ministério da Saúde. Mas, é sempre preciso que a população use conscientemente a água.

Técnicos da Agência Reguladora e da Concessionária foram a campo coletar amostras de água em pontos estratégicos do Rio Tubarão e seguem acompanhando as características da água bruta, para garantir a qualidade do tratamento e abastecimento.

A partir da verificação da cunha salina foi formado um grupo técnico, com representantes da prefeitura, Agência Reguladora, Concessionária, Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Tubarão e Complexo Lagunar, Conselho Municipal de Saneamento Básico, Defesa Civil e Funat, que estão avaliando as alternativas legalmente possíveis e tecnicamente viáveis, considerando que não há um controle dos fenômenos que influenciam no aumento da salinidade da água, como a estiagem ou o avanço da maré.

No início da noite deste sábado (2), representantes da Agência Reguladora, Tubarão Saneamento e o prefeito Joares Ponticelli, reuniram-se para discutir a questão, que, inclusive, já levou o município a decretar situação de emergência. Na reunião ficou decidida a formação de uma força tarefa que vai analisar o avanço da “cunha salina” e atuar no enfretamento do problema. “Estamos vendo esse fenômeno com preocupação, já que a salinização da água, mesmo que ainda não tenha interferido na sua potabilidade, tem provocado problemas em chuveiros e torneiras, que resultam em desligamentos”, analisou o prefeito Joares.

A prefeitura vem acompanhando o andamento dos estudos técnicos e ambientais conduzidos pela AGR e concessionária, colocando seus setores ambientais, de infraestrutura e Defesa Civil, junto ao grupo que trabalha na questão. “Vamos trabalhar junto com a Tubarão Saneamento e a AGR para construirmos uma solução possível, para eliminarmos mais esse problema”, finalizou.