Wagner da Silva
São Ludgero

Os valores apurados pela auditoria feita nas contas da câmara de vereadores de São Ludgero não surpreenderam o atual presidente da casa, Benício Warmeling (DEM). A minuta dos trabalhos foi entregue esta semana. O estudo das contas foi necessário, após a descoberta de irregularidade e adulteração de cheque que levaram à prisão o ex-contador.

Durante três meses, os auditores analisaram as finanças de 2004 a 2008 junto à Receita Federal e outros órgãos. Entre empenhos e compensações, os dados apresentaram uma diferença de R$ 412 mil. Este valor não inclui a dívida com INSS, de R$ 87 mil, mas com os juros pulou para R$ 133 mil. Segundo Benício, a dívida foi negociada e paga em parcelas.

O documento oficial será analisado por uma comissão composta pelos vereadores Volnei Weber (PMDB), Edemilson Daufembach (DEM), Nilva Schlickmann Pickler (PMDB) e José Allein (PSDB). “Esta comissão foi criada para acompanhar todos os trabalhos da auditoria, que agora analisará a documentação. Eles emitirão um parecer que será enviado também ao Ministério Público”, explica Benício.

Apesar de conhecer os valores, o presidente afirma que ninguém sabe para onde foi o dinheiro. “Foi importante este levantamento, pois não tínhamos noção de quanto foi desviado. Estudamos com o jurídico qual será o próximo passo. Propus uma ação civil pública, para o ressarcimento do valor, mas isto é analisado”, revela Benício.
Ele elogia a ação dos vereadores e destaca que o processo terá continuidade com o próximo presidente, Edemilson, que assume na próxima semana. “Decidimos trabalhar com total transparência e queremos dar a resposta à população que nos cobra resultados”, observa.

Pressão
O presidente do legislativo, Benício Warmeling (DEM), afirma que, durante todo o processo, os vereadores foram pressionados e até ameaçados. “Em nenhum momento, deixamos nos intimidar. Foi um trabalho sério e honesto. Estou com a consciência tranquila, assim como os demais vereadores, pois tudo foi feito dentro da lei e com total transparência”, declara Benício.

Economia será
devolvida ao executivo

Cerca de R$ 252.785,40 do duodécimo da câmara de São Ludgero será devolvido a prefeitura. O valor é relativo à economia gerada pelo legislativo em 2009. A devolução faz parte de um acordo firmado entre os vereadores, logo após a posse.
O valor poderia ser ainda maior, cerca de R$ 92 mil a mais. Isso porque a câmara precisou fazer licitação para contratação da auditoria que precisou ser refeita, em função da falta de propostas, além da realização de concurso público para suprir a vaga de contador.

“Assumimos praticamente às escuras, sem telefone e internet, por exemplo. Com o tempo e apoio dos vereadores, conseguimos reestruturar e, hoje, desfrutamos de uma situação confortável. Tanto que o valor desta devolução poderia chegar a R$ 350 mil”, comemora o presidente da câmara Benício, Warmeling (DEM).