Mirna Graciela
Imaruí
 
As informações nas redes sociais de que o prefeito de Imaruí, Amarildo Matos de Souza, conversaria ontem com a população sobre a construção do Complexo Prisional foram negadas por sua assessoria. Uma audiência pública seria promovida pela assembleia legislativa, na câmara de vereadores, no próximo sábado. Não será mais. O pedido foi feito pela deputada Angela Albino, que o retirou ontem de manhã.
 
Segunda-feira, a convite da administração, algumas pessoas estiveram em uma reunião com o diretor do departamento de administração prisional (Deap), Leandro Antonio de Lima, e um representante da secretaria de justiça e cidadania. 
Eles explicaram o funcionamento do complexo. O prefeito e os vereadores que apóiam a ideia também estavam. Já os vereadores Vanderlei Cunha e Elina Vieira Roussenq, que são contrários, não foram chamados.  
 
As entidades de classe elaboraram um documento que será enviado ao prefeito, governo do estado e Ministério Público, sobre a insatisfação com a construção da unidade em Imaruí. 
 
Muitos não a querem, mas o prefeito argumenta que haverá geração de empregos e retorno em impostos. Ele foi um dos únicos no estado que enviou ofício ao governo, com o pedido, mas não pretende conversar com a população enquanto não receber uma resposta – positiva ou negativa.