A atriz Daisy Lúcidi morreu aos 90 anos, na madrugada desta quinta-feira (7), devido a complicações da Covid-19 durante a pandemia de coronavírus.

Famosa pelo programa de rádio Alô, Daisy, ela fez novelas icônicas da década de 1970, como Supermanoela e O Casarão, e mais recentemente esteve em Geração Brasil e Babilônia. Daisy, que foi vereadora e deputada estadual no Rio de Janeiro, era viúva e deixa três filhos, além de netos e bisnetos.

Daisy estava internada no CTI do Hospital São Lucas, em Copacabana, bairro onde morou por boa parte de sua vida, e respirando por aparelhos. A hospitalização da atriz foi comunicada por um de seus netos, Cacau Mendes, na segunda-feira (4). “Gostaria, em nome da família, de pedir a todos os amigos e fãs da minha avó, Daisy Lúcidi, que mandem boas vibrações para que ela consiga se recuperar dessa terrível Covid-19. No momento ela se encontra em estado grave mas com situação clínica estável, respirando por aparelhos. Pedimos orações a todos, temos esperança!”, disse na ocasião.

Nascida no Rio de Janeiro, Daisy começou cedo, ainda criança, no universo do rádio, onde há 45 anos mantinha o Alô, Daisy, programa de variedades e que acolhia reclamações da população. Foi no rádio que ela conheceu o marido, o radialista Luiz Mendes, que foi seu primeiro namorado e com quem se casou em 1950.

Radioatriz, ela fez a estreia na televisão na minissérie Nuvem de Fogo (1963), de Janete Clair, na extinta TV Rio. O ritmo na telinha foi interrompido por quase três décadas, período em que se dedicou à política.