#Pracegover foto: na imagem há um homem de roupa cinza, uma mesa , um balcão e acessórios
#Pracegover foto: na imagem há um homem de roupa cinza, uma mesa , um balcão e acessórios

Muitas pessoas já tiveram a experiência de ouvir alguém rangendo os dentes enquanto dorme, o que é identificado como bruxismo. Porém, o som do atrito dos dentes não é a única característica desse movimento involuntário e inconsciente que ocorre durante o sono. Apertar e bater os dentes também compõem o quadro. “O bruxismo é uma condição bem comum. É um hábito parafuncional de apertar ou ranger os dentes. E pode ser dividindo em dois tipos: o bruxismo do sono e o em vigília, que ocorre durante o dia”, explica o profissional, Dr. Andrei Vitor, Cirurgião-Dentista, de Pescaria Brava.

Segundo o profissional, com os fatores etiológicos não há nada comprovado cientificamente, mas há estudos que apontam que o bruxismo provém de fatores multifatoriais. “O bruxismo envolve desde questões psicológicas como a ansiedade e estresse, principalmente nesse período de pandemia, onde podemos perceber muitos pacientes chegando ao consultório com essa característica. Por vezes, um bruxismo severo. Há também outros fatores, como o uso de fármacos, principalmente os antidepressivos, a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono e o Refluxo Gastroesofágico. Estes são os fatores mais comuns que podem ser relacionados com a etiologia do bruxismo”, conta Andrei.

A atividade parafuncional é considerado o terceiro distúrbio do sono mais comum, perdendo apenas para o sonilóquio (falar enquanto dorme) e o ronco. “O bruxismo afeta na qualidade de vida do paciente e principalmente na saúde bucal, já que o mesmo acaba causando desgaste na estrutura dentária, desgaste ou quebra das restaurações e implantes do paciente. Há também uma estrita relação com a articulação temporomandibular, que causa dor na articulação, cansaço na mastigação e fortes dores de cabeça, devido a grande tensão na musculatura que envolvem essas regiões.

De acordo com o profissional de odontologia, o bruxismo não tem cura, assim como também não possui um tratamento. O que se pode indicar para o paciente é uso de uma placa miorrelaxante, onde o indivíduo utiliza durante o dia ou a noite, ao dormir. Essa placa tem por finalidade, proteger os dentes do desgaste que a atividade causa e trazer alívio da dor, já que a mesma diminui a frequência e a tensão da atividade muscular, durante o bruxismo.

Andrei pontua que o cirurgião dentista poderá chegar a um diagnóstico por meio de perguntas, durante o exame clínico ou relato do companheiro ou companheira do paciente. “Por meio uma anamnese e um exame clinico detalhado, podemos chegar a conclusão, de que o paciente possuí bruxismo, já que na grande maioria das vezes, o desgaste dentário é bastante evidente. Há também o exame de polissonografia, mas pelo seu alto custo, acaba sendo descartado”, menciona.

Estima-se que a maioria dos indivíduos apresentará este tipo de comportamento em algum momento da vida, mas somente 5% delas desenvolverão a condição clínica. O acompanhamento com o dentista é importante para entender o que ocorre com a musculatura oral, protegendo-a de todas as formas possíveis.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul