Tubarão

Crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade ou risco, residentes em Tubarão, contam agora com um local preparado para recebê-los. Os profissionais capacitados darão toda a assistência necessária, até os 18 anos, aos menores que sofreram algum tipo de violação de seus direitos. A Casa Acolhedora foi inaugurada ontem pela prefeitura, por meio da secretaria de assistência social.

O local conta com quartos para acomodações de bebês, crianças e adolescentes, banheiros, cozinha, amplo refeitório e área de lazer. “O espaço irá suprir todas as necessidades. Não é um espaço que gostaríamos de ter, mas, infelizmente, muitas crianças de nossa cidade precisam deste tipo de acolhimento”, relata a secretária de assistência social da prefeitura, Vera Stüpp.

A criação da casa é uma adequação à nova Política de Assistência Social (Suas), que estabelece que, quando a criança é retirada do lar, é necessário oferecer um espaço adequado. “Aqui, o menor vai encontrar amor e será atendido por uma equipe de profissionais integrada, para que possa ter uma vida normal. Vai frequentar a escola, vai ao médico, ao dentista, terá atendimento psicológico e todo apoio para enfrentar esse difícil momento”, explica Vera.

O local tem capacidade para acolher até 16 menores, que poderão ficar por até dois anos. “A cada seis meses, a situação deste menor é reavaliada, para sabermos se ele pode voltar para sua família ou será encaminhado a uma família substituta”, explica Vera.

O que diz a justiça

A juíza da vara da família, infância e juventude de Tubarão, Miriam Regina Garcia Cavalcanti, explica que, para ser bem sucedido, o atendimento aos menores deve ser realizado por uma rede de atenção que envolve diversos segmentos. “O trabalho não vai se restringir somente a este espaço, já que devemos trabalhar de forma integrada para que a criança possa ter todas suas necessidades atendidas. A fase infantojuvenil passa muito rápido e vamos atuar para torná-la positivamente marcante”, destaca a juíza.