Wagner da Silva
Braço do Norte

Com a falta de apoio dos administradores municipais, a diretoria da Associação Anselmo Tramontin (Astra) reúne-se hoje para decidir qual o futuro da instituição. Há 11 anos, a Astra presta assistência à crianças e adolescentes dependentes químicos.

Porém, há pouco mais de seis meses enfrenta dificuldades para manter-se. Hoje, o único recurso que a entidade recebe é o da prefeitura de Braço do Norte. As outras cidades que utilizavam os serviços da instituição – caso de Imaruí, São Ludgero, Paulo Lopes, São Miguel do Oeste, Orleans e Imbituba – não renovaram o convênio.

“Sem o recurso, não temos como manter os profissionais”, lamenta o presidente da Astra, Aron Voss Uliano. Com isso, os funcionários foram, aos poucos, desligados. “Tentamos, inclusive, com o Ministério Público. Apesar de complicado, ainda estudamos formas de manter a instituição aberta. A reunião de amanhã (hoje) será decisiva”, reitera Aron.