Laguna

Oficialmente, outubro terminou há dois dias, mas para os acolhidos do Asilo Santo Isabel, o mês vai acabar apenas neste domingo, 3. O motivo é que a entidade, que completou 70 anos há três semanas, resolveu comemorar a data em dois finais de semana seguidos com muita alegria, envolvendo todos os idosos e funcionários em torno da data festiva.

O clima diferenciado que paira sobre o asilo é confirmado pela irmã Angelina Cabrera Benítez: “Cheguei faz pouco tempo e já encontrei essa grande festa do asilo, que é uma obra muito gratificante. Aqui não tem rotina. As pessoas acham que cuidar dos idosos é rotinário, e não é não; a cada dia temos uma nova diversão, uma nova alegria, uma nova surpresa”. A religiosa que ocupa hoje a direção da entidade, veio para Laguna há pouco mais de um ano, depois de passar por obras sociais na Bolívia e outros países de colonização espanhola da América do Sul.

A ideia de a cidade ter uma casa para acolher idosos surgiu em 1915, em uma reunião feita na igreja matriz. Como um projeto desses demanda tempo e dedicação, ela só começou a sair do papel definitivamente em 1939, quando a Associação Beneficência Lagunense, presidida por Joana Daux Mussi, que havia abraçado a iniciativa anos antes, adquiriu um terreno e iniciou a construção do prédio-sede no Magalhães.

A abertura oficial do asilo ocorreria em 22 de outubro de 1949, em uma grande solenidade que atraiu os olhos de toda a sociedade lagunense. “Os 70 anos têm sido um momento magnífico, é uma oportunidade de mostrar quantas pessoas dedicaram a vida à essa obra”, diz Angelina.

A ideia das comemorações do aniversário do asilo iniciaram ainda em julho na festa julina feita pela entidade. Dali se traçaram as metas para a data comemorada em outubro, que foram iniciadas com um desfile pelo Magalhães, que contou com o apoio da comunidade, na última semana.

“Foi um sucesso, alegria total das pessoas que acompanharam”, resume a diretora. O desfile movimentou todos os acolhidos e chegou a contar com uma representação da Santa Isabel, padroeira da entidade, feita por uma senhora vinda de Portugal.

Festa central terá música, almoço e placa comemorativa
O grande momento das comemorações, define a irmã, acontece no domingo, dia 3. Com o nome de todas as pessoas que de uma forma ou de outra contribuíram para a criação do Asilo Santa Isabel, uma placa comemorativa será afixada em um tronco com os galhos cortados, na entrada do prédio onde funciona a entidade.

“As pessoas me pergunta: ‘Irmã, o que vai ser isso?’ e eu digo, que é um tronco de concreto que representa uma árvore. Quando ela chega à uma idade muito adulta, a gente corta, e às vezes ela procura continuar brotando; não cresce mais como antes, mas tenta brotar. Os 70 anos do asilo é como essa árvore, cresceu, deu muitos frutos, foi talvez podada e até cortada, e é a mesma coisa a vida dos nossos idosos aqui”, explica. “Eles podem ter sido cortados como o tronco, mas não deixaram de ter vida”.

A placa será fixada às 9h50 e às 10h30, as festividades seguem com a realização de uma missão em ação de graças, ministrada pelo padre Carlos Henrique, da Paróquia de Magalhães. Ao meio-dia, o asilo oferece almoço às pessoas que compraram o ingresso e que poderão participar de bingo.

Durante o evento, Marquinhos do Juízo e Maicon Viana animam o público com música ao vivo. A entrada para o almoço custa R$ 25 e a cartela do bingo, R$ 10.