#Pracgover Foto: na imagem há um homem de máscara e terno
#Pracgover Foto: na imagem há um homem de máscara e terno

Arthur Lira teve 302 votos, contra 145 de Baleia Rossi. Em terceiro lugar ficou Fábio Ramalho (MDB-MG), com 21 votos. Ao todo, 504 deputados votaram.

Além de Arthur Lira e Baleia Rossi, disputaram a presidência da Câmara: Marcel van Hattem (Novo-RS); General Peternelli (PSL-SP); André Janones (Avante-MG); Luiza Erundina (PSOL-SP) e Fábio Ramalho (MDB-MG). Momentos antes de a votação começar, Kim Kataguiri (DEM-SP) chegou a registrar candidatura, enquanto Alexandre Frota (PSDB-SP) desistiu do páreo para apoiar Baleia.

Lira ganhou a eleição para a presidência da Câmara sob forte apoio de Jair Bolsonaro, que passou a receber até oito deputados por dia para tratar da candidatura do parlamentar alagoano. O deputado do Progressistas, durante a campanha, viajou por todo o Brasil, inclusive para Belo Horizonte, onde se reuniu com o prefeito Alexandre Kalil (PSD) e com o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo).

O Democratas desistiu de apoiar a candidatura do deputado Baleia Rossi à presidência da Câmara nas vésperas da eleição. Em reunião, a Executiva Nacional do partido optou por dar carta branca aos parlamentares decidirem em quem votar. Com isso, Rodrigo Maia saiu enfraquecido pelo próprio partido, já que Baleia Rossi era seu preferido para ocupar a cadeira.

Arthur César Pereira de Lira é natural de Maceió e está exercendo seu terceiro mandato como deputado federal por Alagoas. Antes, foi deputado estadual e vereador de Maceió. Na Câmara, ele já presidiu a Comissão de Constituição e Justiça e, atualmente, é líder do bloco denominado “Centrão”. Lira também é advogado, agropecuarista e empresário.

Tensão pré-eleição

No início da tarde, Rodrigo Maia e Arthur Lira foram protagonistas de um bate-boca quente, com direito a tapas na mesa e ofensas pessoais.

Tudo começou quando o PT alegou problemas técnicos para registrar apoio a Baleia Rossi e, por isso, teria perdido o prazo, que se encerrava às 12h. Diante das dificuldades, Maia convocou reunião de líderes para permitir o registro do bloco. Alguns líderes do bloco de Baleia relembraram que o mesmo problema técnico teria ocorrido há dois anos e impediu o PDT de ficar com cargos na Mesa Diretora.

A decisão final sobre reconhecer o registro do bloco cabia apenas a Maia, como presidente da Casa. A reunião já começou tensa, com Maia e Lira gritando um com o outro. Lira disse ter consultado o diretor técnico da Casa, que teria informado não haver problema nenhum no sistema e que todos os outros partidos conseguiram fazer o registro no prazo – Rede, PV, PCdoB, Cidadania, PDT, MDB, PSDB, Solidariedade e PSB.

“É só uma questão de coerência temporal. Todos cumpriram o prazo, menos o PT”, disse Lira, segundo parlamentares presentes à reunião. Diante dos protestos de Lira, Maia respondeu: “Eu sou presidente da Câmara hoje. Eu decido. Amanhã você pode decidir”.

Irritado, Lira bateu a mão na mesa. “Vossa excelência está atropelando”, disse ele. Maia cobrou respeito: “Você não está em Alagoas, não bata na mesa”. Lira, por sua vez, manteve o tom: “E você não está no morro do Rio de Janeiro”.

Ao fim da discussão, o bloco de Baleia Rossi conseguiu fazer o registro com dez partidos, incluindo PT, que alegou problemas técnicos, além do PSDB e do Solidariedade, que cogitaram ficar neutros na disputa.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul

Fonte: EM