Zahyra Mattar
Tubarão

A comissão de licitação para a execução da Arena Multiuso de Tubarão já analisa os recursos de impugnação à habilitação das cinco empresas concorrentes. Todas as construtoras apresentaram justificativas contrárias, umas contras as outras.
O grupo poderá decidir pela continuidade das empresas ou pelo cancelamento do edital. E é nesta última opção que o Sindicato da Construção Civil (Sinduscon) de Tubarão está confiante.

“Decidimos aguardar o parecer da comissão, já que houve a impugnação por parte de todas as participantes. Nossa intenção não é prejudicar as concorrentes, muito menos a prefeitura. Mas é impossível um processo justo com o edital apresentado. Se a comissão não cancelar o documento, faremos isso por meio judicial”, justifica o presidente do sindicato, Silvio Ghisi.

Segundo ele, o edital foi elaborado para haver poucas participantes. Conforme pesquisa do sindicato, apenas uma empresa em todo o país teria condições de participar. Terça-feira, quando as propostas técnicas foram abertas, nem esta empresa conseguiu suprir as exigências.

Participam da licitação da arena a Planen, a Progredior, a Camilo e Ghisi, a Construtora Viseu e a Engetom. A prefeitura precisa começar a obra até novembro deste ano, caso contrário, perderá o convênio com o estado, cujo documento foi assinado no dia 3 de julho.

A obra é orçada em R$ 14.339.036,00 – R$ 6 milhões do estado e R$ 8.339.036,00 de contrapartida do município. A parte do estado será repassada em 12 parcelas de R$ 500 mil.

Para este ano, estão asseguradas duas parcelas. A primeira está marcada para novembro, mas somente será liberada se a prefeitura apresentar pelo menos a medição da obra. O restante do investimento estadual (R$ 5 milhões) está garantido no orçamento do próximo ano.