Grão-Pará

Uma ligação e a resposta rápida salvou a vida da pequena Maria Eduarda, de Grão-Pará, no último dia 8. A menina, que na ocasião tinha apenas 10 dias, se afogou com leite, causando pânico à mãe e aos padrinhos. A reação foi ligar para o 190, onde a chamada chegou a Central Regional de Emergência (CRE), em Tubarão. E com a ajuda de dois policiais militares, o cabo J. Souza e ao soldado Leandro, eles conseguiram salvar a bebê.

A história, que já teve um final feliz, ganhou contornos ainda mais emocionantes. Dias depois do salvamento, os dois policiais militares foram até Grão-Pará, para visitar Maria Eduarda.

“Nós que trabalha ali na CRE, oramos para que não atenda esse tipo de ocorrência, porque pode não dar certo. Fizemos o procedimento que aprendemos nos bombeiros, mas pelo telefone, que também é muito difícil. É assim, a gente faz de tudo para dar certo a nossa profissão. Salvar vida é o final. A nossa missão é prevenir. E quando resulta numa situação dessa daí. E tudo depois. Ter encontrado eles lá, foi uma emoção enorme”, conta o cabo J. Souza, que pegou a ligação por já ter tido outras experiências de salvamento.

Após os primeiros socorros, Maria Eduarda foi levada para o hospital de Braço do Norte. E não demorou muito para que Josimar, o padrinho da menina, ligasse mais uma vez para a CRE. Mas desta vez, por outro motivo.

“Uma hora depois, ligaram para a gente agradecendo, que graças ao nosso atendimento, a criança sobreviver. E depois disso, foi só emoção. O nosso astral que estava meio pesado, melhorou 100%”, relata o policial militar, que atua na corporação há quase 16 anos.

Encontro e emoção

Foi a esposa do cabo J. Souza, Elizangela, que tomou a iniciativa de marcar um encontro entre os policiais militares e a bebê. E mais uma vez, sobrou emoção.

Eles foram presenteados, com canecas com o nome de cada um, seguido de “herói da Maria Eduarda”, além de uma foto da menina. “Foi uma emoção, pegar aquele bebezinho no colo. Já participei de inúmeras ocorrências, mas essa emoção… Faltam palavras para expressar”, revelou o cabo.

O padrinho Josimar, emocionado, expressou a gratidão. “Nós só podemos agradecer. Foram dois anjos da guarda. Não tenho palavras que possam expressar o quanto estamos gratos”, reconheceu. “Desejo que sejam abençoados em suas jornadas”, completou Josimar.