Carolina Carradore
Laguna

A defesa do prefeito de Laguna, Célio Antônio (PT – foto à direita), e do vice, Luis Fernando Shiefler Lopes (PP), entrou nesta sexta-feira no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) com pedido de embargo declaratório questionando a decisão do juiz eleitoral Maurício Fabiano Mortari, que um dia depois foi para outra vara. Enquanto o juiz Renato Müller Bratti, agora responsável pelas questões eleitorais, não julgar o embargo, Célio e Fernando permanecem no cargo. Ambos tiveram os diplomas e os mandatos cassados quinta-feira, acusado de compra de votos.

Segundo o procurador da prefeitura de Laguna, Gelson Luiz de Souza, a defesa entra segunda-feira com recurso, com pedido de uma liminar que suspende os efeitos da sentença. A condenação foi publicada no Diário Oficial desta sexta-feira e a defesa tem um prazo de 24 horas (dias úteis) para entrar com recurso.

A decisão judicial foi baseada em uma ação de investigação judicial apresentada pelos candidatos das eleições de 2008, a prefeito e vice, Mauro Vargas Candemil (PMDB – foto à esquerda) e Aderbal Zapeline Mendes (PSDB), da coligação Todos por Laguna. Candemil e Mendes devem assumir a prefeitura em caso de manutenção da cassação.