Wellington Linhares Martins e Adilcio Cadorin estão à frente da organização
Wellington Linhares Martins e Adilcio Cadorin estão à frente da organização

Laguna

O ano de 2021 será marcado pelo bicentenário de nascimento de uma das personagens mais importantes da história não apenas da região, mas principalmente da Itália: Anita Garibaldi. E mesmo com um bom tempo até a ocasião, os preparativos para os eventos alusivos à data já iniciaram.

E as celebrações não se limitarão apenas à terra de Anita. Serão realizados eventos em Santa Catarina e Rio Grande do Sul, além de países onde ela teve passagens marcantes, como Itália, Uruguai e San Marino.

Segundo o presidente do Instituto Cultural Anita Garibaldi (CulturAnita), Adilcio Cadorin, que coordena os eventos relacionados ao bicentenário na América do Sul, a Itália também tinha um projeto para a data, mas que foram fundidos. “Eles toparam, desde que a gente aderisse a um projeto que eles fizeram. Um jardineiro italiano, que durante a Segunda Guerra lutou em uma legião garibaldina, depois da guerra se dedicou ao cultivo de rosa e resolveu chamar de rosa de Anita. E doou os direitos autorais dela para o Museu Renzi, da região da Emília-Romanha, com a condição que o museu disseminasse a rosa de Anita. A ideia é plantar essa rosa em todos os lugares que Anita passou, e isso acontecerá em 2021”, conta.

Ex-prefeito de Laguna e autor de diversas obras sobre Anita, Cadorin levou o projeto para Tubarão, Imbituba, Lages, Curitibanos, Anita Garibaldi e Laguna. Todos são municípios que Anita marcou com sua presença alguns acontecimentos épicos da Revolução Farroupilha em Santa Catarina.

Já foram formadas comissões municipais que desenvolverão projetos, que serão entregues a uma comissão estadual, formada pelo CulturAnita, Fundação Catarinense de Cultura (FCC), Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina, Consulado Italiano de Florianópolis e o Governo do Estado. “Essa comissão estadual vai receber os projetos das comissões municipais e virar um único projeto de Santa Catarina, para ser buscados recursos da Lei Rouanet, Governo Estadual, Governo Federal e o Italiano”, conta Cadorin.

As celebrações do bicentenário de Anita também têm o objetivo de fomentar o turismo. “A ideia é fazer com que os eventos ocorram não concomitantemente, mas cronologicamente, para que sejam divulgados com antecedência na Itália, e as agências de turismo de lá possam organizar excursões para cá. E aqui a mesma coisa, para que as agências daqui vendam excursões para a Itália”, completa.

Heroína dos dois mundos

Anita Garibaldi nasceu em 1821 e morreu em 1849. Foi chamada de a “heroína dos dois mundos”, por ter participado no Brasil e na Itália, ao lado de Giuseppe Garibaldi, de diversas batalhas.

De origem simples, casou-se pela primeira vez, em agosto de 1835, com o sapateiro Manoel Duarte de Aguiar. Com o surgimento, no Rio Grande do Sul, do movimento dos farrapos contra a monarquia, Manoel aliou-se às forças imperiais e seguiu com o exército abandonando a esposa. Ocorre em 1836 a Proclamação da República Rio Grandense, a necessidade de um porto marítimo motiva a tomada da Vila de Laguna. No dia 22 de julho de 1839, as forças farroupilhas, com a ajuda de Giuseppe Garibaldi, político e militar revolucionário italiano, tomaram a Vila e proclamaram a República Juliana.

Aos 18 anos, Ana Maria conhece o italiano Giuseppe e se apaixona. Garibaldi começa a chamar Aninha de Anita, diminutivo de Ana em italiano. Ao lado do companheiro, não foge da luta, segue com ele para o Rio Grande do Sul, após o avanço dos imperalistas em Santa Catarina. Em 16 de setembro de 1840, Anita tem seu primeiro filho com Garibaldi, Menotti, nascido em Mostardas, no Rio Grande do Sul. O nascimento de Menotti coincide com o período final da atuação do italiano na Revolução Farroupilha.

Alguns meses após o nascimento de seu filho, Garibaldi emigra para o Uruguai, iniciando uma nova etapa em sua vida de revolucionário. No país vizinho, o casal oficializa a relação em 1842. No Uruguai nascem Rosita, Tereza e Ricciotti, tendo Rosita falecido ainda criança. Anita com os filhos, vai para a Itália, em 1848, aos 27 anos. Meses antes da chegada do marido. Ela luta ao lado do marido pela unificação e libertação da Itália, frente aos seus inimigos austríacos.

Com a derrota foram obrigados a se retirarem em barcos de pesca. Alguns caíram em poder dos austríacos, porém o que conduzia o casal Garibaldi encalhou em uma praia. Anita e Giuseppe, com alguns companheiros, abrigaram-se numa propriedade rural nas proximidades de Ravenna. Anita grávida, com seu estado de saúde precário, veio a falecer, por volta das 19h45min, do dia 4 de agosto de 1849, antes dos trinta anos de idade. Em sua memória foram erguidos monumentos em Roma, Ravenna, Porto Alegre, Belo Horizonte, Florianópolis, Laguna e Tubarão.