Amanda Menger
Tubarão

A licitação para a reforma de um galpão que servirá de almoxarifado para a secretaria de desenvolvimento regional em Tubarão foi suspensa ontem, no fim da tarde, pelo secretário Jairo Cascaes (DEM). A decisão foi tomada horas antes do juiz da Vara da Fazenda Pública de Tubarão, Júlio Knoll, acolher uma liminar que pedia a suspensão da licitação. A licitação, modo carta convite, estava marcada para amanhã, às 14 horas, na SDR.
Domingo, foi protocolada uma ação cautelar para a suspensão da licitação. A argumentação é que a obra já teria começado. “Recebi o pedido e suspendi a licitação, para que as partes envolvidas possam apresentar a sua argumentação”, afirma Knoll.

O edital 023/2009 prevê a reforma geral de um galpão pertencente ao governo do estado, na rua Jaime Aguiar de Souza (paralela ao Presídio Regional de Tubarão), no bairro Humaitá de Cima; a construção de um muro e de uma guarita. O valor orçado é de R$ 139.831,89. “Suspendi porque fiquei sabendo que a construção do muro tinha sido feita por funcionários do estado. Vamos readequar o projeto e reduzir os custos daquilo que foi feito. O que achamos interessante é que o edital da carta convite foi disponibilizado na internet, e recebemos a inscrição de 15 empresas, quando geralmente são apenas três. Temos que ter transparência e se há algo errado vamos corrigir”, afirma Jairo.

O gerente regional de infraestrutura, Léo Goularte, um dos citados na cautelar, confirma que a obra teve início. “Nós começamos o trabalho, porém, o Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra) deu férias aos pedreiros que estavam tocando a obra. O atual almoxarifado está no antigo prédio da Casan, na rua Altamiro Guimarães, e a Celesc já pediu a área, então, temos pressa para que o trabalho seja concluído. Por isso, resolvemos fazer a licitação”, explica Léo.