Liliane Dias
Braço do Norte

Com a falta de limites às crianças e adolescentes, o número de menores que iniciam a vida sexual está cada vez maior e as idades estão cada vez menores. A informação é do conselho tutelar de Braço do Norte. “Entre dez e 12 anos, as meninas já iniciam a vida sexual por vontade própria e, em alguns casos, por dinheiro”, afirma a conselheira tutelar Kassiana da Silva Elias.

Dados do conselho tutelar revelam que somente este ano foram 21 casos de violência sexual: um caso com crianças de zero a quatro anos, um de cinco a nove anos, dez casos de dez a 14 anos e nove de 15 a 17 anos. Para a conselheira, o índice é considerado altíssimo. “Como Braço do Norte é uma cidade pequena e existem diversos programas para ‘ocupar’ os jovens, o índice é muito elevado”, considera.

Além dos números registrados, existem outros casos que não chegam ao conhecimento do conselho. O que agrava a situação, para Kassiana, é a falta de orientação e o fato de as pessoas acharem que ‘virou moda’. “Esse número não abrange as crianças que iniciam a vida sexual por vontade própria. A falta de interesse das famílias muitas vezes é a causadora disso”, ressalta.

Parte das evasões escolares ocorrem em virtude destas ocorrências. “Muitos homens mais velhos e de outras cidades, que vem para cá, saem com as jovens à tarde, tirando as meninas das escolas. Houve casos de meninas que contaram que é muito melhor do que assistir aula. Além disso, ainda recebem um presente ou dinheiro”, revela.