Outubro é o mês mais simbólico na luta contra o câncer de mama. Engajada na campanha mundial, as unidades da Cliniimagem realizam várias ações internas e externas, e foram iluminadas de rosa com objetivo de chamar a atenção para o problema que, a cada ano, tem um número maior de casos. Segundo o INCA (Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva) 95% dos casos de câncer de mama no país têm chance de cura quando detectados precocemente.

“A mamografia é o principal exame de rastreamento para o diagnóstico o precoce e deve ser realizada anualmente a partir dos 40 anos. O exame é rápido, e o posicionamento e compressão são importantes, bem como a comparação com os exames anteriores”, explica a médica radiologista Rafaela Bonassa.

A especialista destaca a importância da detecção precoce. “Ela aumenta as possibilidades de cura e beneficia as mulheres com tratamentos menos agressivos”.

“A taxa de mortalidade por essa neoplasia mostra-se em declínio nas populações submetidas a programas regulares de rastreamento”, complementa a radiologista Rafaela De Luca.

As profissionais ressaltam: “quanto mais cedo o diagnóstico, melhores as chances de sucesso do tratamento. A medicina diagnóstica é uma grande aliada nesta jornada”.


São considerados sinais e sintomas suspeitos de câncer de mama e de referência urgente para a confirmação diagnóstica:

Qualquer nódulo mamário em mulheres com mais de 50 anos.

Nódulo mamário em mulheres com mais de 30 anos, que persistem por mais de um ciclo menstrual.

Nódulo mamário de consistência endurecida e fixo ou que vem aumentando de tamanho, em mulheres adultas de qualquer idade.

Descarga papilar sanguinolenta unilateral.

Lesão eczematosa da pele que não responde a tratamentos tópicos.

Homens com mais de 50 anos com tumoração palpável unilateral.

Presença de linfadenopatia axilar.

Aumento progressivo do tamanho da mama com a presença de sinais de edema, como pele com aspecto de casca de laranja.

Retração na pele da mama.

Mudança no formato do mamilo.

(Fonte: Inca)

História

O movimento teve início no ano de 1990 em um evento chamado “Corrida pela cura” que aconteceu em Nova Iorque, para arrecadar fundos para a pesquisa realizada pela instituição Susan G. Komen Breast Cancer Foundation.

O evento ocorria sem que houvessem instituições públicas ou privadas envolvidas. A medida em que cresceu, outubro foi instituído como o mês de conscientização nacional nos Estados Unidos, até se espalhar para o resto do mundo.

A primeira ação no Brasil aconteceu em 2002, no parque Ibirapuera, em São Paulo. Com a iluminação cor-de-rosa do Obelisco Mausoléu ao Soldado Constitucionalista.

A partir de 2008, iniciativas como essa tornaram-se cada vez mais frequentes. Diversas entidades relacionadas ao câncer passaram a iluminar prédios e monumentos, transmitindo a mensagem: a prevenção é necessária.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul

Fonte: