Priscila Alano
Tubarão

O plano de ação para municipalizar o abastecimento de água e saneamento básico será apresentado pela prefeitura municipal de Capivari de Baixo à justiça dentro de 15 dias. O prefeito Luiz Carlos Brunel Alves pretende assumir o sistema na cidade.

“Estamos elaborando as explicações necessárias. O Ministério Público cobra das cidades a implantação do saneamento básico. E Capivari está carente nesta área, não houve investimentos nos últimos anos”, afirma Brunel. A sua preocupação é oferecer saneamento, incluindo a construção de uma estação de tratamento de esgoto. O processo é demorado e exige grandes investimentos. “Encaminhamos a documentação necessária para nos habilitar no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) para conseguir recursos para implantarmos o projeto de saneamento básico”, relata Brunel.

Uma empresa realiza o levantamento no município para averiguar as reais necessidades. Para o prefeito, a responsabilidade nos serviços é do município. “Assim como o Ministério Público tornou obrigatória a destinação correta do lixo pelos municípios, agora nos cobra uma ação corretiva sobre o saneamento básico”, explica Brunel.

O chefe da agência da Casan no município, vereador Fernando Oliveira da Silva, lembra que o órgão conseguiu uma liminar na justiça e continuará a atender. A concessão do serviço da estatal no município vence em 2027. “Técnicos da agência estiveram em Capivari no último mês para avaliar os locais onde será construída a estação de tratamento de água e a de esgoto”, argumenta Fernando.

Entenda o caso

Na última semana, o prefeito Luiz Carlos Brunel Alves encaminhou um ofício para a Casan onde comunicava que iria romper a contrato com a estatal. No documento, alegava que estava descontente com os serviços prestados pela estatal no município. O órgão recorreu à justiça para garantir a permanência na cidade.