Evandro mostra a requisição do tão esperado exame de cateterismo cardíaco, que será realizado na próxima terça-feira
Evandro mostra a requisição do tão esperado exame de cateterismo cardíaco, que será realizado na próxima terça-feira

Karen Novochadlo
Laguna

 
Ainda não é possível falar em final feliz. Isto fica para depois que o aposentado Evandro Luiz de Melo, de Laguna, marcar a cirurgia de transplante de rim. Mas é correto dizer que agora sim ele conseguiu vencer a batalha: após meses de espera, o aposentado de 59 anos finalmente conseguirá fazer o último exame que precisa para realizar o transplante.
 
A demora não pode ser justificada. Afinal, casos como este devem ter prioridade, o que não ocorreu com Evandro. Ele já possui um doador vivo e compatível. Mas sem chorar pitangas! O negócio é seguir adiante. O tão esperado exame de cateterismo cardíaco (cineangiografia) será realizado na próxima terça-feira, em Criciúma. O resultado deve ser entregue em cinco dias.
 
Mas a saga não termina aí. Com tudo em mãos, é preciso, ainda, marcar a consulta, em Florianópolis, com o médico que fará o transplantes. Aí sim, a operação poderá ser agendada. Evandro faz hemodiálise três vezes por semana em Tubarão. Cansado de esperar e indignado com o sistema, ele ameaça parar o tratamento que o mantém vivo no próximo dia 25, quando completa dois anos de idas e vindas.
 
Obstinado, apesar dos apelos da família e dos amigos, Evandro ainda não desistiu da ideia, mesmo com a certeza de que, enfim, o último exame que precisa já está marcado. “Só desisto deste plano quando a cirurgia for agendada”, teima. O exame foi marcado pela secretaria de saúde da prefeitura de Laguna, por meio da gerência regional de saúde no município.
 
Exame é marcado e aposentado não é avisado
Nesta quarta-feira o aposentado Evandro Luiz de Melo, 59 anos, de Laguna, recebeu uma ligação do Hospital São José, de Criciúma. O motivo era para saber o porquê ele havia faltado ao exame marcado para aquele dia. O aposentado ficou surpreso. Não havia sido comunicado que tinha horário agendado.
A SC-Transplantes e a secretária de saúde da prefeitura de Laguna também não sabiam nada do caso. Posteriormente, foi descoberto que a gerência regional de saúde em Laguna agendou o exame, mas como teve o recesso de Carnaval, Evandro não foi comunicado. Mas tudo resolveu-se e o cateterismo foi reagendado para a próxima terça-feira.
 
Falta de informação
Uma das principais queixas do aposentado Evandro Luiz de Melo, de Laguna, é a desinformação. Ele reclama de não ter sido informado de como funcionava o sistema de transplante no estado. “Eu não sabia que existia a SC-Transplantes antes de falar com vocês (redação do Notisul). Nunca me explicaram como eu poderia entrar na fila para receber um rim. Disseram que era só começar a hemodiálise. Somente seis meses depois eu descobri que nunca havia sido cadastrado”, lamenta.