Laguna

Um boto-pescador morto foi encontrado no início da tarde de ontem por pescadores nas margens do rio Tubarão, na primeira entrada de Campos Verdes, já em Laguna. A Polícia Militar Ambiental (PMA) da Cidade Juliana transportou o corpo do animal descendo as margens do rio até a base, no centro de Laguna, onde foi repassado à equipe do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), para fazer a imediata necropsia.

Segundo a PMA, o boto se encontrava emalhado com redes de pesca na nadadeira caudal. O pescador Sidinei Silva de Medeiros contou que ao transportar o boto ocorreu um fato inusitado. “Atrás da lancha parecia uma procissão! Vários botos acompanharam o barco até chegarmos à sede da ‘guarda’ ambiental. Foi uma cena de chorar”.

A necropsia foi realizada pela equipe veterinária já Unidade de Estabilização de Fauna Marinha, também em Laguna, e foi finalizada no fim da tarde. O laudo dos veterinários confirmou os seguintes fatores: Era um boto-pescador T. Truncatus macho, juvenil, de 2,3 metros e pesando entre 150 a 200 quilos; Tinha lesão de contato por interação com rede de pesca no pedúnculo caudal; Edema em traqueia e pulmão, além de uma patologia respiratória em curso que não se sabe ainda se é de origem parasitaria, bacteriana ou viral; Vários linfonodos ao longo do corpo com aumento de volume (Linfadenomegalia); Múltiplos granulomas em pulmão (Pneumonia piogranulomatosa); Parasitas em pulmão e seios pterigoide; e Úlceras orais. A causa da morte foi afogamento. A patologia respiratória será investigada com exames complementares.

Neste ano já foram registradas duas mortes de indivíduos da espécie em Laguna. Nos últimos 24 meses, dez animais foram achados mortos. Os botos de Laguna, que ganharam fama internacional por ajudarem pescadores artesanais a localizar os cardumes de peixes, e que deram à cidade o título de Capital Nacional do Boto-Pescador, correm risco de extinção. Eles ficam presos em apetrechos de pesca e não conseguem subir até a superfície para respirar e morrem por afogamento.

O que é o PMP-BS?
O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama). O objetivo é avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, por meio do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais mortos. Caso alguém encontre algum animal marinho – vivo ou morto – pode entrar em contato pelo telefone 0800-6423341.