Zahyra Mattar
Tubarão

Santa Catarina acordou triste ontem com a notícia do falecimento, durante a madrugada, do ministro aposentado do Tribunal de Contas da União (TCU) Adhemar Paladini Ghisi (foto), 78 anos, em Lisboa, Portugal. O mais renomado político do sul catarinense estava em viagem pela Europa com a esposa, Sônia Balsini Ghisi, onde contraiu pneumonia. Ele foi internado na última sexta-feira e passava bem, mas o seu estado de saúde agravou-se segunda-feira.

Em novembro deste ano, Ghisi comemoraria 50 anos de sua primeira eleição, em 1958. Na época, ele venceu o pleito e cumpriu o primeiro mandato como deputado estadual pela UDN. Nascido em 1930 na Vila de Braço do Norte, em Tubarão, advogado de formação (em 1954, pela PUC de Porto Alegre), Ghisi era considerado um dos mais importantes líderes políticos do estado.

Dois mandatos como deputado estadual e cinco como federal alçaram o estadista nato para uma sólida e consagrada carreira no Tribunal de Contas da União (TCU). Ele foi ministro em 1985, e presidente do tribunal em outras ocasiões. Foi aposentado em 2000, por um decreto presidencial, aos 70 anos. Mas nunca deixou Brasília, capital que aprendeu a gostar, não tanto quanto a região de Tubarão, pela qual representou com orgulho e extrema credibilidade.

Mesmo aposentado, Ghisi foi nomeado presidente da Associação dos Tribunais de Contas de Língua Portuguesa. O corpo do político tubaronense deverá chegar ao Brasil às 16 horas de amanhã, e será velado do TCU, na capital federal. O enterro será no cemitério de Brasília, no sábado. O horário ainda não foi acertado pela família.