Tubarão

Está marcado para a manhã deste sábado, em Brasília, o sepultamento do ministro emérito do Tribunal de Contas da União (TCU) Adhemar Paladini Ghisi. O renomado político do sul catarinense faleceu na madrugada de quarta-feira, em Lisboa, Portugal, vítima de uma pneumonia.

Ele viajava pela Europa a passeio com a esposa, Sônia Balsini Ghisi, onde contraiu a doença. Ghisi chegou a ser internado no dia 27 de junho, mas o seu estado de saúde agravou-se na última segunda-feira. O ministro aposentado tinha 78 anos, 50 deles (a serem completados em novembro deste ano) dedicados, com afinco inigualável, à política e ao TCU.

Neste sábado, em Tubarão, onde boa parte de seus familiares ainda reside, ocorrerá, na Catedral Diocesana, uma missa solene em homenagem póstuma a um dos máximos representantes do município e do sul do estado. A celebração eucarística está marcada para 19 horas e contará com a participação do coral municipal.

Adhemar Paladini Ghisi era natural de uma localidade hoje situada em Braço do Norte, na época pertencente a Tubarão, e recebeu o título de cidadão tubaronense, outorgado pela câmara de vereadores. Formado em direito em 1954, pela PUC, do Rio Grande do Sul, exerceu dois mandatos de deputado estadual e cinco de deputado federal. Em todos, elevou o nome de Santa Catarina, especialmente dos municípios do sul, que ajudou a construir.

Entre as obras realizadas por conta de seu empenho em enviar recursos, estão a construção da Escola Técnica do Comércio de Tubarão (ETCT), a concretização do primeiro laboratório de informática da antiga Escola Técnica Diomício Freitas (hoje Cedup) e a construção do Centro de Convenções e Eventos de Tubarão (Cecontu), que, inclusive, foi ‘batizado’ com o seu nome.