O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, informou nesta terça-feira (25) que pautará para o próximo mês a ação que pode levar à cassação da chapa Dilma-Temer, vencedora das eleições em 2014, por abuso de poder político e econômico. “É razoável na segunda quinzena de maio. Não tem prazo definido, mas vai ser em maio”, disse o ministro, ao ser questionado sobre a data do julgamento.

A ação chegou a ser levada a julgamento neste mês, mas a sua análise foi interrompida após o plenário do TSE conceder mais prazo para que as defesas entreguem novas alegações finais e determinar a oitiva de mais testemunhas.

Mesmo que seja levada a plenário no mês que vem, a expectativa é de que o julgamento termine adiado sem previsão por um pedido de vista (mais tempo para estudar o processo) de algum dos sete ministros que compõem o plenário do TSE.

Como Dilma Rousseff sofreu um impeachment no ano passado, é possível que o mais afetado por uma eventual condenação seja Michel Temer, que pode ser afastado da Presidência da República. O TSE pode decidir ainda por julgar as contas dos dois acusados em separado, o que beneficiaria o atual presidente. Ambos podem se tornar inelegíveis.