A quantidade de cães degradados em Gravatal é uma realidade que incomoda moradores, turistas e principalmente voluntários que cuidam dos animais em situação de rua. 

O ponto mais crítico da cidade é a comunidade de Ilhota, onde há poucos moradores e facilita o abandono de cães. Gisele é voluntária do grupo Segunda Chance e está toda semana no local para dar comida aos cães e resgatar os que precisam de cuidados.

O problema, de acordo com Gisele, é que toda semana são degradados animais na localidade. “Eu vou, retiro alguns animais para cuidar, deixar em lar temporário ou para adoção e na semana seguinte tem mais”, explica a voluntária.

Gisele diz que uma das soluções parar amenizar o problema, além da conscientização da população em não abandonar animais, é a castração. ‘Nós fazemos por meio do grupo Segunda Chance, mas dependemos de doações e não temos dinheiro para todos os animais”.

A prefeitura de Gravatal está elaborando um projeto para castração de animais na cidade. O secretário de agricultura, Fabrício de Oliveira Machado, reconhece o problema na comunidade de Ilhota e diz que está buscando ajuda das autoridades para pensar em ações na tentativa de coibir a degradação de animais.

“Abandonar animais é crime, por isso estamos tentando uma conversa com a Polícia Militar para saber que atitude tomar, tudo dentro da legalidade, e inibir o abandono de animais”, disse o secretário.

Fabrício assumiu a pasta nesta quarta-feira (22) e se reuniu com o prefeito e a secretária de Saúde na manhã desta quinta-feira (23) para falar sobre a possibilidade da contratação de um profissional para realizar castrações. Eles vão se reunir novamente na segunda-feira para ver detalhes. 

Falta conscientização

Fabrício explicou que o problema na comunidade de Ilhota vai além do abandono de animais. As pessoas têm jogado geladeira, sofá, cama e todo tipo de entulho.

“Nós iremos fazer tudo que estiver ao nosso alcance, mas sozinhos não chegaremos a lugar algum, é preciso que a população faça a sua parte e descarte lixo e entulho em locais adequados”, finalizou o secretário.